Início Camaçari Polícia divulga nomes dos envolvidos em crime motivado por homofobia em Camaçari

Polícia divulga nomes dos envolvidos em crime motivado por homofobia em Camaçari

Polícia divulga nomes dos envolvidos em crime motivado por homofobia em Camaçari 1
Foto: Bruno Wendel/Arquivo CORREIO

Um policial militar e dois homens foram presos, nesta sexta-feira (1º), suspeitos de envolvimento na agressão e tentativa de homicídio, ocorridas em um bar, em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador. Segundo a Polícia Civil, investigações realizadas por policiais da 18ª Delegacia Territorial (DT) resultaram na prisão de Fredson Silva de Castro, além de Maurício Ferreira de Jesus e José Carlos Novaes Souto Neto.

A delegada titular da 18ª DT/Camaçari explicou que os três tiveram mandados de prisão temporária cumpridos. “Eles foram identificados como autores dos crimes e teriam sido motivados por homofobia, após presenciarem a vítima beijando o companheiro”, afirmou.

Leia mais:
Policial suspeito de atirar em homem que estava no bar com companheiro é preso
Dois suspeitos de balear homem em bar do Inocoop se apresentam à polícia
Homem que atirou quatro vezes contra rapaz em bar em Camaçari é identificado
Homem é baleado em bar no inocoop em Camaçari

Com o cumprimento dos mandados, Fredson, que é policial militar, deverá ficar custodiado no 12º Batalhão (BPM/Camaçari), onde é lotado. Maurício e José Carlos serão encaminhados ao sistema prisional.

Represália
O fato de o episódio envolver um policial militar fez com que Marcelo Macêdo viesse a público falar sobre o assunto. Marcelo disse que teme represália.

“Até agora não fui ameaçado, mas estamos com muito medo do que ele (PM) possa fazer. Eu, meus amigos, minha família, todo mundo está apavorado pelo fato de o caso envolver um policial. Só fico trancando em casa. Minha família não quer que eu vá para lugar algum, não queria que desse nem entrevista, mas vi que é necessário falar sobre o assunto”, disse.

“Meu namorado também nunca passou por isso. Ele está tão aterrorizado quanto eu”, complementou, em entrevista ao CORREIO.