Início Mundo Cientista chinesa acusa China e OMS de ocultarem perigosidade do vírus

Cientista chinesa acusa China e OMS de ocultarem perigosidade do vírus

Cientista chinesa acusa China e OMS de ocultarem perigosidade do vírus 1

A virologista chinesa Li-Meng Yan afirma que Pequim mente sobre a Covid-19, porque já conhecia a existência e o perigo do novo coronavírus, noticiou este domingo o jornal espanhol El Mundo.

Yan, que fugiu para os Estados Unidos, garante que também a Organização Mundial de Saúde (OMS) tinha conhecimento da existência e do perigo do novo coronavírus muito antes de anunciar o surto que ocorreu em Wuhan. Li-Meng Yan, especialista em virologia e imunologia, estava encarregue de estudar o coronavírus, até que as suas descobertas a levaram a fugir. A epidemiologista da Universidade de Saúde Pública de Hong Kong planeou o voo quando percebeu que tinha de escapar e contar tudo o que sabia sobre o coronavírus, disse em entrevista ao canal televisivo Fox. Relata que os seus superiores ficaram em silêncio e ocultaram a sua investigação. “Se tivesse contado a minha história na China, acabava desaparecida ou assassinada”, declarou.

A virologista assegura que foi uma das primeiras cientistas do mundo a estudar o novo coronavírus. Em finais de 2019, recebeu o mandato do seu supervisor e consultor da OMS, Leo Poon, que a mandou levar a cabo uma investigação secreta sobre a nova doença.

“O Governo da China negou-se a permitir que os peritos estrangeiros, incluindo os de Hong Kong, investigassem na China (…) Recorri então aos meus amigos para recolher mais informação”, explicou. Foi então que um cientista no Centro para o Controlo e a Prevenção de Doenças da China lhe contou em 31 de dezembro de 2019 que a transmissão pessoa a pessoa se apresentava como característica do novo coronavírus. Os problemas de Yan começaram quando advertiu o Governo para a letalidade do novo coronavírus, muito antes de a China reconhecer a perigosidade.

Máscara em público pela primeira vez
O presidente dos Estados Unidos foi fotografado, pela primeira vez, a usar uma máscara de proteção contra a Covid-19, durante uma visita a um hospital militar em Bethesda, Maryland. “Adoro máscaras, nos locais próprios”, disse Donald Trump aos jornalistas, quando questionado sobre a atitude que sempre desvalorizou. O chefe de estado norte-americano acrescentou ainda que “nunca” foi “contra máscaras”.

Estudantes expulsos
A Universidade Johns Hopkins recorreu aos tribunais para bloquear a decisão da administração Trump que obriga estudantes estrangeiros a abandonar o território americano se tiverem de acompanhar online a totalidade das aulas. Também a Universidade de Harvard e o MIT contestaram a medida.

Disney reabre portas
Os parques da Disney reabriram na Florida, EUA, “sob rigorosas medidas de segurança”. O Magic Kingdom e o Animal Kingdom abriram ao público em geral, o Epcot e o Disney Hollywood Studio só vão abrir na próxima quarta-feira. O número de visitantes está sujeito a limitações.

Máscaras e luvas em rios
Máscaras de proteção e luvas foram encontradas em sete rios europeus, divulgou a Fundação Tara, alertando para o perigo da poluição. Os rios estão entre os nove maiores explorados pelos cientistas: Tamisa, Elba, Reno, Sena, Ebro, Ródano, Tibre, Garonne e o Loire.

Com informações do CM Tv