Início Brasil Vídeo: Racista que ofendeu motoboy em São Paulo comete nova injúria

Vídeo: Racista que ofendeu motoboy em São Paulo comete nova injúria

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

Mateus Almeida Prado, homem que foi racista com o motoboy Matheus Pires, quando o rapaz fazia uma entrega em Valinhos, em São Paulo, em julho de 2020, voltou a cometer injúria racial nesta sexta-feira (9).

Em vídeo que circula nas redes sociais, ele dispara ofensas contra funcionários de um mercado no distrito de Barão Geraldo, em Campinas, no mesmo Estado.

“É racismo mesmo, seu preto. Você é italiano mesmo? Porque eu sou nórdico. Seu ladrãozinho de merda. Isso aqui (apontando para a própria pele) você tem inveja, seu bosta. Você não tem dinheiro, seu lixo”, afirma.

À época da primeira aparição, o pai de Matheus declarou à polícia que ele sofre de esquizofrenia. Ele não foi preso, mas foi encaminhado ao Hospital das Clínicas da Unicamp.

VÍDEO

Relembre o caso
O caso aconteceu no dia 31 de julho de 2020 e as imagens começaram a circular na internet em 7 de agosto. Na ocasião, a Guarda Municipal foi chamada e encaminhou todos para a Delegacia de Valinhos. O condomínio fica no bairro Chácaras Silvania. O vídeo foi gravado por um vizinho.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Durante a discussão, o rapaz ainda ofendeu o entregador, o chamando de “semianalfabeto”; repete que ele tem inveja da vida que as pessoas que moram no condomínio dele têm; e diz que o profissional não tem onde morar nem “nunca vai ter” nada do que ele estava mencionando.

“Eu falei pra ele que ele não podia fazer mais isso porque ninguém gostava desse tipo de atitude. O que ele faz é pra se mostrar superior as pessoas. Teve um momento que ele cuspiu em mim, jogou a nota no chão e disse que eu era lixo. Na frente da polícia, ele continuou com as agressões, me chamou de favelado”, contou a vítima, Matheus Pires Barbosa.

Na delegacia, o pai do agressor apresentou um atestado médico de tratamento. O homem disse que “Matheus recebeu educação para tratar com respeito o próximo, independente de classe social, credo ou raça. Valores que lhe foram furtados pela esquizofrenia”. A nota da família ainda pede desculpas ao motoboy e todos os trabalhadores que se sentiram atingidos com o episódio.