Início Campo Formoso Vereador de Campo Formoso é preso acusado de envolvimento em esquema de...

Vereador de Campo Formoso é preso acusado de envolvimento em esquema de venda de CNHs

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

O vice-presidente da Câmara Municipal de Campo Formoso, no centro norte baiano, vereador Arlivan Carvalho Gonçalves, foi preso, nesta quinta-feira (21), acusado de fazer parte de um esquema de venda de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em Senhor do Bonfim.

Além do parlamentar, que é dono da autoescola envolvida na fraude, a mulher dele, Rute Maia Batista, e os servidores Manoel Regivaldo Vitor Damasceno, João Bosco Soares Guimarães e Carlos Alberto Menezes Andrade também foram detidos. Com o vereador, a polícia ainda encontrou combustível armazenado irregularmente.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Outras três proprietárias de centros de Formação de Condutores (CFCs), identificadas como Maria Angélica Rodrigues, Antônia Maria de Carvalho Conceição, a Toinha, e Marley Pollyanna Carvalho Feliz, além dos instrutores de direção Emerson Pinheiro Sena Gomes, Reinivan Silva Alves e José Sergio Aleixo da Silva, também tiveram os mandados de prisão cumpridos.

Foram cumpridos, ainda, vinte mandados de busca e apreensão no âmbito da Operação Captiosus. Durante a ação, a Polícia Civil apreendeu documentos que comprovam a fraude. Segundo o delegado Flávio Góis, o esquema já vinha sendo investigado, em razão de suspeitas de cobrança de propina para a aprovação de candidatos no exame para a emissão da CNH.

A investigação também apura a participação de um delegado e de um investigador da Polícia Civil no esquema. Os servidores foram afastados das funções e tiveram mandados de medidas cautelares, como a proibição de frequentar delegacias e manterem contato entre si, com o objetivo de evitar interferência na investigação.

Por Agência Brasil