Início Alagoinhas Venezuelanos refugiados no Brasil são levados para Alagoinhas

Venezuelanos refugiados no Brasil são levados para Alagoinhas

(Foto: Agência Brasil)

Por Correio 24h

A crise na Venezuela trouxe 25 novos moradores para a cidade de Alagoinhas, no Nordeste da Bahia, e cinco para Salvador. Para escapar da grave escassez na economia do país, os venezuelanos, adultos e crianças, solicitaram refúgio e residência temporária no Brasil. Eles devem chegar na cidade nesta quinta-feira (25).

Segundo a Casa Civil, os estrangeiros estão com vagas de trabalho ou empregabilidade já sinalizadas. A viagem será feita em uma aeronave C-99 da Força Aérea Brasileira (FAB), com previsão de decolagem para as 8h (hora local) no aeroporto de Boa Vista, em Roraima, e pousou às 14h45 na Base Aérea de Salvador.

Os preparativos para a viagem começaram por volta das 5h no abrigo Rondon 2. Depois de chegar na capital baiana o grupo seguem de ônibus para Alagoinhas, a cerca de 120 km de Salvador.

Esta fase da interiorização foi construída em parceria entre o Governo Federal, a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Associação Voluntários para o Serviço Internacional – Brasil (AVSI Brasil). Este é o primeiro grupo que parte dos abrigos gerenciados pela Agência da ONU para Refugiados (Acnur) em parceria com a AVSI Brasil, em Boa Vista, na modalidade de interiorização para trabalho.

A AVSI fez contato prévio com empresas para garantir empregos para os venezuelanos com mão de obra especializada, além de contribuir com a infraestrututra necessária para a acolhida, como locação de apartamentos mobiliados, alimentos e produtos de higiene pessoal.

Além do grupo que vai para a Bahia, outros 14 venezuelanos e venezuelanas seguirão para as cidades de Florianópolis (SC) e Chapecó (SC) em voos comerciais, custeados pela Organização Internacional para as Migrações (OIM). Nesta modalidade, os imigrantes não são levados para abrigos, mas para casas de familiares que já se estabeleceram nos destinos.

Com as viagens desta quinta-feira (25), passa de 2,8 mil o número de pessoas que já participaram da interiorização. A iniciativa foi criada para ajudar os venezuelanos que estão em Roraima a buscarem melhores oportunidades no Brasil.

Entenda: crise na Venezuela começou muito antes de 2018
A situação começou a se manifestar em 2014, mas já dava sinais desde 2012, de acordo com o professor do curso de Relações Internacionais da Unifacs Felippe Ramos. Só para dar uma ideia, a economia da Venezuela pouco produz além do petróleo. Praticamente tudo que se consome no país é importado.

“A partir de 2014, há a queda do preço do petróleo nos mercados internacionais e agrava fortemente a situação. Nesse momento, o governo passa a gastar mais do que arrecada”, explica.

Naquele momento, começaram a ser propostas algumas medidas econômicas de abertura e atração de investimento estrangeiro, mas o presidente Nicolás Maduro, que sucedeu Hugo Chávez, preferiu financiar o déficit fiscal com emissão monetária.

“Ou seja, na falta de dinheiro, a gente imprime dinheiro. Com isso, o dólar paralelo dispara. O governo mantém uma taxa fixa de câmbio, mas o dólar paralelo se descola muito do fixo e a economia começa a ter uma diferença muito grande entre produtos subsidiados pelo governo e produtos importados sem subsídio”.

Assim, a inflação aumenta, os preços dos produtos disparam e o governo perde o controle do déficit fiscal. Logo, a emissão monetária não era mais suficiente para bancar o rombo: o governo passou a ter menos dólares para importar e teve início uma grave escassez na economia.

Era falta de tudo: papel higiênico, açúcar, frango, remédios, absorventes, preservativos. Nesse contexto, houve aumento de casos de gravidez precoce e surtos de epidemias de doenças que antes estavam controladas, como o sarampo. Nessa época, o salário mínimo caiu a preço real de um dólar – o mais baixo do mundo.

“O governo perdeu a capacidade de investir na própria indústria básica que lhe sustenta: a petroleira. Segundo o FMI (Fundo Monetário Internacional), a inflação deve fechar o ano em 1.000.000 %”, explica o professor.

E foi assim que a vida na Venezuela se tornou inviável para os cidadãos – principalmente de classe média baixa e baixa. Em 2015, o fluxo de migrantes dispara; nos anos de 2016 e 2017, essas pessoas seguiam, principalmente, para países como Colômbia, Espanha e Estados Unidos. Mesmo tendo recebido migrantes em anos anteriores, foi só agora, em 2018, que o Brasil sentiu o maior impacto.

Desde 2012, cerca de 2,3 milhões de pessoas deixaram a Venezuela. “Em números absolutos, é a maior crise de imigrantes do mundo. É maior do que a Síria, a Líbia, o Iêmen, só que não se sentiu tanto porque muitos desses 2,3 milhões eram pessoas de classe média, que tinham acesso a recursos econômicos e educacionais”.