Início Bahia Universidades estaduais permanecem sem aulas após paralisação de servidores

Universidades estaduais permanecem sem aulas após paralisação de servidores

Apesar do fim da greve dos professores, os estudantes das universidades estaduais da Bahia permaneceram sem aula nesta segunda-feira (10). Isto porque os servidores técnico-administrativos decidiram pela paralisação das atividades de hoje até sexta-feira (14) com os portões fechados. A greve dos docentes nas estaduais durou 86 dias.

A única universidade estadual que chegou a ter aulas nesta segunda-feira foi a Universidade do Estado da Bahia (UNEB), uma vez que o sindicato decidiu pela adesão ao movimento apenas na manhã desta segunda, diferente das demais estaduais. Entretanto, a partir de terça-feira (11), a Uneb também estará com os portões fechados.

Uneb chegou a ter aulas nesta segunda-feira (10), mas deve ficar com os portões fechados amanhã
(Foto: Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)

De acordo com o Sindicato dos Servidores Técnico-Administrativos da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Afus), os sindicatos pedem o reestabelecimento do pagamento adicional de insalubridade, destinação de 7% da Receita Corrente Líquida (RCL) para os orçamentos das universidades estaduais e 1% da RCL para o Programa de Desenvolvimento e Capacitação dos técnico-administrativos.

Os servidores pedem ainda o aumento do número de vagas para promoção funcional e a abertura de concursos públicos para o setor. Além disso, a categoria reivindica que seja encaminhada à Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) o projeto de lei para criação de carreira.

Ainda de acordo com o Afus, membros da coordenação executiva dos sindicatos das estaduais vão se reunir com representantes do Governo na Uneb, a partir das 8h30 desta terça-feira, para negociar as reivindicações da categoria. De acordo com a assessoria do sindicato, a conversão da manifestação em greve pode acontecer a depender do que será negociado com o Governo.

Já o coordenador do Sindicato dos Técnico-Administrativos da Uneb (Sintest), Gilmar Freire, negou que haja reunião agendada com representantes do governo e afirmou que uma mobilização está marcada para às 8h desta terça-feira a fim de chamar a atenção para as reivindicações do setor.

Siga nosso Instagram: @seligacamacari | Confira as vagas de emprego: VagasEmCamaçari | VagasBahia

Ainda segundo o coordenador do Sintest, o sindicato está disposto a negociar com o Governo para o restabelecimento das atividades da universidade. “A continuidade da greve vai depender da resposta que o Governo der às nossas demandas. A ideia é negociar e estamos abertos para propostas e diálogo com o Governo”, esclareceu Freire.

Em nota, o Governo do Estado informou que será representado pelas secretarias de Administração, Educação e Relações Institucionais em uma reunião, marcada para esta terça-feira, com representantes dos servidores técnico-administrativos para discutir os pleitos da categoria. O Governo ainda se diz surpreso com a decisão dos servidores de parar as atividades antes mesmo da reunião, que, segundo a administração estadual, foi agendada dentro do prazo solicitado pela categoria.

Greve dos professores
Após 86 dias de paralisação, os professores das universidades estaduais da Bahia decidiram encerrar a greve devido a assinatura de um acordo entre os representantes das secretarias da Educação, Administração e Relações Institucionais e os dirigentes das Associações de Docentes das quatro universidades.

A greve foi iniciada no último dia 13 de maio e as aulas retornariam nesta segunda-feira. O novo calendário letivo será decidido pelos membros da coordenação de cada universidade estadual.

No acordo, o Governo da Bahia se comprometeu a enviar um Projeto de Lei à Assembleia Legislativa revogando a Lei 7176/97 que, segundo os professores, interfere na autonomia da gestão universitária. Além disso, o governo se comprometeu em implementar promoções, progressões e mudanças de regime de trabalho relativas a todos os processos que já se encontram em tramitação nas secretarias da Educação e Administração num prazo de 60 dias.

O Governo prometeu encaminhar à Assembleia também um Projeto de Lei para garantir a efetivação do remanejamento do quadro de vagas por universidades. Assim, os processos de promoções podem começar ainda em 2015.

*Correio da Bahia