Início Polícia Suspeito de estuprar enteada justifica gravidez com ‘toalha com sêmen’

Suspeito de estuprar enteada justifica gravidez com ‘toalha com sêmen’

Homem permanece preso por força de um mandado de prisão preventiva — Foto: Diogo Almeida/G1

Por G1

O homem preso suspeito de estuprar e engravidar enteada de 12 anos declarou em depoimento, na quarta-feira (17), que a gravidez da adolescente aconteceu porque ela usou uma toalha dele suja de sêmen. O padrasto foi preso na manhã da quarta-feira, em Santa Rita, na Grande João Pessoa, após denúncia da vítima na Delegacia da Mulher de Santa Rita.

Durante o depoimento, o homem contou à delegada Amindonzelle Oliveira que se masturbava no banheiro e utilizava uma toalha para ejacular. Ele nega qualquer contato mais próximo com a adolescente, disse que a jovem usou a mesma toalha e por isso engravidou. “É mesmo que impossível, cientificamente não tem como ela engravidar se não houver contato mais próximo”, declarou a delegada.

No entanto, durante o depoimento, a delegada informou que o padrasto deixou escapar algumas informações que levavam a entender que havia intimidade entre ele e a enteada. Informou que dormiam juntos em uma cama, que ficavam algum tempo sozinhos e que ela nutria interesse por ele. “Essa situação já perdurava há dois anos, desde que ela menstruou pela primeira vez”, disse a delegada.

A delegada ainda também ouviu outras testemunhas que declaram desconfiar do comportamento do homem com a enteada. Elas contaram que sempre que a adolescente era indagada sobre essa situação, chorava muito. A mãe da adolescente e esposa do suspeito ainda não foi ouvida pela delegada, pois está em estado de choque.

A adolescente fez exames para identificar o tempo da gravidez e aguarda a Maternidade Cândida Vargas autorizar o aborto legal. De acordo com a delegada, se o tempo gestacional for de até sete semanas, o aborto pode ser feito. A previsão é que a resposta seja fornecida ainda nesta quinta-feira.

Entenda o caso
Segundo o agente da Polícia Civil Alisson Sales, o pai da menina estava estranhando o comportamento da filha nos últimos meses e relatou que a jovem se isolou e chorava muito. A vítima fez a denúncia à madrasta, explicando que já era abusada pelo padrasto há um ano, de acordo com a polícia. A mulher, então, levou a situação para o companheiro, que é pai da adolescente, e os dois fizeram a denúncia à polícia.