Início Brasil Suspeito de criar sete contas para recebimento do Auxílio Emergencial é investigado

Suspeito de criar sete contas para recebimento do Auxílio Emergencial é investigado

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE
Foto: Divulgação, Ascom/Polícia Federal

A Polícia Federal realizou, na manhã desta sexta-feira (28), um mandado contra um suspeito investigado por cadastrar contas em nome de terceiros para recebimento do Auxílio Emergencial. Ação ocorreu durante a Operação Sly, deflagrada com o objetivo de reprimir fraudes no Auxílio, na região do oeste da Bahia.

O mandado de busca e apreensão, expedido pela Justiça Federal, foi cumprido na cidade de Santa Maria da Vitória, no extremo oeste do estado. Também foi determinada a quebra de sigilo de dados bancários do investigado.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

A investigação, que teve início em 2021, é resultado da Estratégia Integrada contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (EIAFAE), da qual participam a Polícia Federal, o Ministério Público Federal (MPF) o Ministério da Cidadania (MCid), a CAIXA, a Receita Federal (RF), a Controladoria Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU).

O objetivo é a racionalização dos procedimentos de apuração criminal sobre a temática, com foco na atuação de grupos, associações ou organizações criminosas e a desarticulação de fraudes estruturadas.

No decorrer das investigações, apurou-se que o investigado cadastrou no aplicativo “Caixa Tem” pelo menos sete contas em nome de terceiros para recebimento do Auxílio Emergencial de forma fraudulenta, transferindo imediatamente os valores depositados para ao menos oito contas vinculadas ao Mercado Pago, em nome de terceiros, resultando num prejuízo de pelo menos R$ 80.000,00.

O responsável pela conduta delitiva investigada responderá pela prática do crime de furto qualificado mediante fraude.