Início Futebol Suposto “gato” pode mudar rebaixamento e acesso no Brasileirão

Suposto “gato” pode mudar rebaixamento e acesso no Brasileirão

Por Correio da Bahia

Jogador Ernandes teria atuado de forma irregular por Ceará e Goiás

O Brasileirão chegou ao fim com a rodada do último domingo (2), mas ao que tudo indica vai continuar nos tribunais. Uma suposta irregularidade no registro do lateral-direito Ernandes, do Goiás, pode mudar o acesso de um time na Série B e o rebaixamento de outro na Série A.

De acordo com informações divulgadas pelo repórter Pedro Orioli, da Rádio Central, de Campinas, o jogador estaria em situação irregular, já que apresenta duas datas de nascimento diferentes. No Boletim Informativo da CBF (BID) e no site do Goiás, Ernandes nasceu no dia 11 de novembro de 1987. Mas em uma certidão de nascimento registrada no segundo cartório de São Félix do Araguaia-MT, o atleta nasceu no mesmo dia e mês, mas de 1985, sendo então dois anos mais velho.

A irregularidade, que na gíria do futebol é chamada de “gato”, é punida pelo Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). De acordo com o artigo 214 do CBJD, a punição é a perda do número máximo de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente, e multa de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais).

Este ano, Ernandes disputou uma partida do Brasileirão pelo Ceará (derrota para o Santos, na primeira rodada), e 31 jogos pelo Goiás. Caso a irregularidade seja comprovada, o time cearense seria rebaixado no lugar do Sport, e a Ponte Preta subiria na vaga do Goiás.

Em nota, a Ponte Preta disse estuda o caso e ainda não decidiu quais medidas vai tomar.

“Ponte Preta informa que foi pega de surpresa em relação à notícia divulgada nesta tarde pela imprensa sobre uma suposta irregularidade de um atleta do Goíás. A Macaca está buscando informações e documentos a respeito para se embasar melhor e verificar, primeiramente, a veracidade da informação e – em seguida – definir os próximos passos e quais medidas serão tomadas. Assim que isso ocorrer, o Departamento Jurídico irá se pronunciar a respeito do caso”, diz a Ponte, em nota à imprensa.