Início Brasil “Sou ladrão e vacilão”: Justiça condena homens que tatuaram testa de adolescente

“Sou ladrão e vacilão”: Justiça condena homens que tatuaram testa de adolescente

Por: Folhapress

A Justiça de São Paulo condenou os dois homens que tatuaram a testa de um adolescente em São Bernardo do Campo em junho de 2017 com a frase “Sou ladrão e vacilão”. Os réus não poderão recorrer em liberdade. O tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis, 28, pegou três anos de reclusão em regime inicial semiaberto por crime de lesão corporal gravíssima e quatro meses e 15 dias de detenção em regime inicial semiaberto por delito de constrangimento ilegal.

Seu vizinho, Ronildo Moreira de Araújo, 30, pegou três anos e seis meses de reclusão em regime inicial fechado por crime de lesão corporal gravíssima e de cinco meses e sete dias de detenção em regime inicial semiaberto por crime de constrangimento ilegal.

Presos desde junho de 2017, os dois não receberam o direito de recorrer em liberdade.

A reportagem tentou contato com a defesa de Maycon e Ronildo, mas não obteve sucesso.

O CASO
Em junho de 2017, um vídeo com um adolescente rendido após uma suposta tentativa de roubo viralizou nas redes sociais. Em sua testa, lia-se “Sou ladrão e vacilão”. No dia 9 do mesmo mês, Maycon e seu vizinho, o pedreiro Ronildo, foram presos em São Bernardo do Campo pelo crime.

De acordo com depoimento prestado à polícia, os homens confessaram o crime e explicaram que o adolescente teria tentado roubar uma bicicleta do tatuador. A suposta tentativa de roubo não foi confirmada. Ao reconhecer o jovem no vídeo, a família acionou a polícia. Ele estava desaparecido havia mais de uma semana. Usuário de drogas, o jovem foi encontrado no dia 13 de junho e internado em uma clínica de reabilitação para o tratamento de crack e álcool em Mairiporã, onde se encontra até hoje.

O adolescente também passa por sessões de retirada da tatuagem, que já diminuiu, mas ainda está presente em sua testa. Ele teve a frase “Eu sou ladrão e vacilão” tatuada em um quarto de pensão que havia sido alugado por Maycon.

Em entrevista à Folha, o rapaz negou ter tentado furtar a bicicleta, disse que estava muito bêbado quando entrou no condomínio e que só “colocou a mão em uma bicicleta”. Ele disse ter implorado para não ser marcado e que quis morrer depois porque estava muito envergonhado.

O dono da bicicleta é Ademilson de Oliveira, 31. Ele contou ao UOL que o veículo em questão estava quebrado. “Ela está com o pedal quebrado. Tinha um motorzinho, mas eu tirei. Deixei ela no cantinho porque queria consertar depois. Se alguém fosse roubar a bicicleta, não ia conseguir nem R$ 5 nela”, disse.

Oliveira disse que se mudou para a pensão e que conhecia de vista o tatuador Maycon e o vizinho Ronildo. “Sei que ele [Maycon] toca em uns barzinhos que tem aqui perto. Eu estou arrasado mesmo com o que aconteceu. Não estou conseguindo nem comer, nem dormir direito. Minha vontade é jogar a bicicleta fora”, disse.

Segundo ele, no momento em que o fato aconteceu, ele estava no hospital fazendo uma cirurgia no olho.