Início Brasil Sergio Moro se demite e deixa governo Bolsonaro após mudança na PF

Sergio Moro se demite e deixa governo Bolsonaro após mudança na PF

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

O ministro da Justiça Sergio Moro anunciou nesta sexta-feira (24) que está deixando o cargo, depois de um conflito com o presidente Jair Bolsonaro em relação ao comando da Polícia Federal. Considerado um homem de confiança de Moro, o delegado Maurício Valeixo foi exonerado da chefia da PF hoje. Desde ontem, a tensão entre o presidente e Moro chegou a um ápice na queda de braço pelo comando da polícia. “Tenho que preservar minha biografia e o compromisso que assumi que seríamos firmes no combate à corrupção”, afirmou. “E um pressuposto para isso é que nós temos que garantir o respeito à lei, à própria autonomia da Polícia Federal”.

Em coletiva nesta manhã, Moro afirmou que Bolsonaro o apoiou em “alguns projetos, outros nem tanto” e tem pressionado desde o ano passado para mudanças na Polícia Federal. “A partir do segundo semestre do ano passado passou a existir uma insistência do presidente para a troca do comando da Polícia Federal”, afirmou. O ex-juiz diz que não se negaria a demitir Valeixo se houvesse uma causa, mas afirmou que ele tinha “um trabalho bem feito”.

“O grande problema de realizar essa troca é que haveria uma violação da promessa que foi feita, não haveria uma causa para essa demissão e estaria claro que havia interferência política na Polícia Federal”, afirmou. “Falei ao presidente que seria uma interferência politica. Ele disse que seria mesmo”, diz, informando que Bolsonaro queria acesso a relatórios de inteligência da PF.

O agora ex-ministro lamentou seu pronunciamento em meio à pandemia do coronavírus. Depois, enalteceu a Operação Lava Jato, que tornou seu nome famoso, afirmando que deu uma grande contribuição ao combate contra a corrupção. “Foi garantida a autonomia da Polícia Federal durante as investigações. É certo que o o governo da época tinha inúmeros defeitos, aqueles crimes gigantescos de corrupção, mas foi fundamental a manutenção da autonomia da PF, seja por vontade própria ou por pressão da sociedade”, afirmou, destacando a importância da autonomia de quem investiga.

Em 2018, quando anunciou Moro como seu ministro, Bolsonaro afirmou que ele teria “carta branca”. “Parabéns à Lava Jato. O recado que eu estou dando a vocês é a própria presença do Sergio Moro no Ministério da Justiça, inclusive Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), para combater a corrupção. Ele pegou o Ministério da Justiça, é integralmente dele o ministério, sequer influência minha existe em qualquer cargo lá daquele ministério. E o compromisso que eu tive com ele é carta branca para o combate à corrupção e ao crime organizado”, disse o presidente na época.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Moro lembrou essa promessa hoje. “Me foi prometido na ocasião carta branca para nomear”, afirmou. Ele negou que tenha colocado como condição para aceitar o cargo de ministro a promessa de ser indicado para o Supremo Tribunal Federal (STF). “Realmente assumi esse cargo, fui criticado e entendo essas críticas, mas a ideia era realmente alcançar o nível de formulador de políticas públicas e aprofundar o combate à corrupção”, disse. A única condição que ele impôs foi que o governo não desamparasse a família dele “se algo me acontecesse”, já que “deixei 22 anos para trás” ao largar a carreira de juiz.

O pedido de demissão de Valeixo “não é totalmente verdadeiro”, segundo Moro, porque “foi decorrente dessa pressão, que a meu ver não é apropriado”. Ele afirmou que não assinou o pedido de exoneração, que o surpreendeu hoje no Diário Oficial. “A exoneração eu fiquei sabendo pelo Diário, eu não assinei esse decreto”, afirmou.

O ex-juiz enviou uma carta formalizando o pedido de demissão a Bolsonaro. Ele não telefonou ao presidente, preferindo comunicar por escrito a saída, segundo a assessoria de Moro.

Desejo antigo
Bolsonaro tenta desde agosto do ano passado retirar Valeixo do cargo. Naquela ocasião, Moro e outros membros do governo conseguiram convencer o presidente a manter o diretor-geral da PF.

Fontes próximas acreditam que a troca de comando está ligada ao desconforto em relação à investigação sobre uma rede de criação e disseminação de fake news contra desafetos do governo.

Por volta das 10h desta sexta-feira, Bolsonaro postou em uma rede social a imagem de trecho do Diário Oficial da União em que aparece o decreto com a exoneração de Valeixo. Escreveu uma mensagem junto: “Art. 2º-C. O cargo de Diretor-Geral, NOMEADO PELO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, é privativo de delegado de Polícia Federal integrante da classe especial.”

Entre os mais cotados para substituir Valeixo estão Anderson Torres, atual secretário de Segurança do DF. Ele é policial federal, mas é considerado pouco experiente por pessoas da instituição – dos dezesseis anos na PF, passou 10 anos fora dela, ocupando cargos.

Outro nome é o do diretor da Abin, Alexandre Ramagem, nome forte entre os filhos de Bolsonaro. Ele é visto na PF como um bom policial, apesar de também jovem – são 15 anos como policial.

Por Correio da Bahia