Início Brasil Seis em cada 10 jovens pensam em deixar o país para morar...

Seis em cada 10 jovens pensam em deixar o país para morar no exterior

Portugal é o segundo destino de brasileiros depois dos Estados Unidos

A falta de seguran√ßa e de perspectivas profissionais somadas ao alto custo de vida e impostos elevados fazem com que 19 milh√Ķes de jovens brasileiros, na faixa et√°ria de 16 a 24 anos, queiram deixar o Brasil em busca de oportunidades no exterior. Portugal √© o segundo principal destino, depois dos Estados Unidos. Em seguida est√£o Canad√°, Fran√ßa, Espanha e Inglaterra.

Os dados são do Instituto DataFolha que ouviu 2.090 entrevistados. A pesquisa mostra que 50% dos que têm entre 25 e 34 anos gostariam de abandonar o Brasil. Esse percentual cai para 44%, na faixa de 35 a 44 anos e 32% para os que estão entre os 45 e os 59 anos. No grupo acima de 60 anos, o percentual é de 24%.

Vida mais simples
Formada em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), Ana Carolina Viana, 36 anos, optou por deixar Brasília, onde sempre morou, e tentar vida nova em Lisboa.

“L√° em Bras√≠lia, mesmo trabalhando muito, no final do m√™s s√≥ sobrava para pagar as contas e eu n√£o conseguia juntar dinheiro e fazer planos‚ÄĚ, desabafou.

Para Ana Carolina, morar em Lisboa significa ter melhor qualidade de vida. ‚ÄúConsigo morar numa casa pequena, mas que tem tudo o que eu preciso. Posso colocar meu filho em uma escola p√ļblica, que aqui √© muito boa. N√£o preciso pagar um plano de sa√ļde. E, com isso, posso viajar e fazer cursos”.

A vontade de “viver com menos” n√£o √© um desejo exclusivo de Ana Carolina. O cirurgi√£o vascular Marcelo Ribeiro de Sousa Bizerra, 34 anos, natural de Teresina, compartilha essa busca de uma vida mais tranquila. Casado e com dois filhos pequenos de 8 e 2 anos de idade, ele contou √† Ag√™ncia Brasil que sempre teve vontade de viver fora.

“Eu tenho muita vontade de morar em um pa√≠s onde eu possa criar meus filhos e que minha esposa viva de maneira mais tranquila. Um lugar onde n√£o seja preciso trabalhar tanto, que se viva com menos, mas com mais qualidade de vida, que eu possa pagar um imposto de renda justo e que tenha um retorno m√≠nimo para conseguir nos sustentar, dar uma boa educa√ß√£o para os filhos, conseguir uma sa√ļde de qualidade e ter uma seguran√ßa m√≠nima”, afirmou Marcelo.

Valorização
Formada em Rela√ß√Ķes Internacionais, Tamira Romualdo, 27 anos, morou em v√°rios locais do Brasil – Par√°, Goi√°s, Rio de Janeiro, S√£o Paulo e Distrito Federal – e tamb√©m no exterior, em Washington (Estados Unidos). Ela disse que teve vontade de repetir a experi√™ncia e, atualmente, a maior motiva√ß√£o para tentar a vida no exterior √© profissional.

“Na minha faixa et√°ria eu vejo que est√° todo mundo passando pelo mesmo problema: todos saem da faculdade cheios de esperan√ßa, mas trabalham muito e se empenham, correm atr√°s e n√£o veem retorno‚ÄĚ, afirmou Tamira.

Trabalhando atualmente na Embaixada de Botsuana no Brasil, Tamira conta que, se pudesse, moraria em Portugal. “Aqui no Brasil √© tudo muito caro. O pre√ßo do mestrado aqui √© mais alto do que em Lisboa ou no Porto. Ter um diploma de uma institui√ß√£o internacional tem um peso muito maior no mercado.”

Agencia Brasil