Início Destaque Secretaria de Saúde de Salvador e terceirizada são alvos da PF

Secretaria de Saúde de Salvador e terceirizada são alvos da PF

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

A Secretaria Municipal de Saúde de Salvador e o Instituto de Gestão e Humanização (IGH), contratado pela Prefeitura por meio da secretaria para fazer gestão complementar de unidades de saúde UPA e Multicentros, são alvos de mandados da Polícia Federal nesta quinta-feira, 9.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Desdobramento da Operação Kepler, os cumprimentos dos mandados são ações conjuntas com a Controladoria Geral da União (CGU) e foram realizados na sede da Secretaria Municipal de Saúde, no Instituto de Gestão e Humanização (IGH) e na casa dos gestores.

São investigados, nessa fase da operação, contratos firmados entre 2016 e 2018 com o IGH. Investigações preliminares apontam que licitações eram direcionadas a beneficiar um instituto que terceirizava, através de contratos superpostos e genéricos, parcelas do serviço a empresas recém constituídas e vinculadas ao próprio instituto.

As investigações também apontaram a existência de crimes contra a ordem tributária, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e fraude à licitação com um lançamento tributário estimado em meio bilhão de reais para os anos de 2017 e 2018

A suspeita é que havia um mecanismo de retornar os valores das subcontratações em benefício de seus representantes e para pagamento de propina a servidores vinculados à secretaria municipal e Prefeitura Municipal de Salvador.

Foram identificados, até agora, pagamentos que somam mais do que R$ 2 milhões em razão de contratações fictícias. Há também, segundo as investigações, suspeita de superfaturamento de R$ 8 milhões.

Em nota, a SMS afirmou que tem cumprido com as medidas apontadas pela CGU, em acordo firmado em 2016, e que está colaborando de forma transparente com as investigações.

“A Secretaria Municipal de Saúde esclarece que vem cumprindo todas as medidas apontadas pela CGU acerca do contrato firmado entre o IGH para a gestão da UPA de Pirajá, contrato este iniciado no ano de 2016. A SMS está colaborando de forma transparente com as investigações e espera que tudo seja esclarecido com brevidade”, diz o comunicado.

Com informações do Portal A tarde