Início Destaque Salvador está na lista de zona de alto risco para surto de...

Salvador está na lista de zona de alto risco para surto de dengue

Infectologista do Hospital São Rafael dá dicas para evitar essa e outras doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti

Salvador está na lista de zona de alto risco para surto de dengue 1
Imagem: ilustração

Mais de 100 cidades baianas, incluindo Salvador, estão com alto risco de surto de dengue, segundo o Ministério da Saúde. Foram notificados mais de seis mil casos no Estado, apenas nos três primeiros meses de 2019, após o primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa). A gerente médica e infectologista do Hospital São Rafael, Ana Verena Mendes, explica que “a doença é causada pelo mosquito Aedes Aegypti, um inseto minúsculo que se tornou um dos grandes inimigos dos baianos, principalmente durante o Outono no Nordeste, período marcado por fortes e intermitentes períodos de chuva, como agora”.

A picada desse mosquito é a única maneira de transmissão não só da dengue, mas também da zika e chikungunya, o que desmente a possibilidade do contágio direto entre pessoas. “A partir do momento em que há contaminação, ocorre o período de incubação do vírus no corpo, que oscila entre três e 12 dias. Após esse tempo, os sintomas começam a surgir. Dentre eles, destacam-se manchas vermelhas no corpo, febre, dor de cabeça e atrás dos olhos, fadiga, náuseas e vômitos”, detalha a infectologista.

A água parada é o ambiente mais propício para a reprodução do Aedes Aegypti. Por isso, é preciso eliminar ou vedar locais que possam servir de reservatórios para as larvas, como garrafas, galões, toneis, vasos de plantas, calhas entupidas, lixo a céu aberto, bandejas de ar-condicionado, poço de elevador, dentre outros. A dica de Ana Verena Mendes é intensificar as medidas preventivas, que também envolvem o uso de repelentes, instalação de telas em janelas e até mesmo fazendo o uso de mosquiteiro em camas e berços.

Zika e Chikungunya

Além da dengue, o baiano ainda precisa ficar bastante atento à zika e chikungunya, doenças que também são causadas pelo Aedes Aegypti. A transmissão de ambas ocorre pela picada do mosquito, mas os sintomas são distintos. “O paciente com chikungunya apresenta febre alta de início rápido; dores intensas nas articulações dos pés, mãos, dedos, tornozelos e pulsos; dor de cabeça; dores musculares e manchas vermelhas na pele. Vale ainda destacar que, depois de infectada, a pessoa fica imune à doença pelo resto da vida. Já no caso da zika, os sintomas são dores de cabeça e nas articulações, coceira, vermelhidão nos olhos, inchaço no corpo e vômitos” pontua a infectologista. Ana Verena conclui reforçando que é fundamental procurar auxílio médico em caso de suspeitas, visando evitar eventuais complicações das doenças.