Início Bahia Respiradores que seriam fabricados em Camaçari ligam membros do governo da Bahia...

Respiradores que seriam fabricados em Camaçari ligam membros do governo da Bahia a empresários presos

Respiradores que seriam fabricados em Camaçari ligam membros do governo da Bahia a empresários presos 1

Uma matéria publicada na imprensa baiana no dia 11 de maio, liga membros do primeiro escalão do governo da Bahia, aos empresários presos acusados de darem um golpe de aproximadamente R$ 48 milhões de reais no Consórcio Nordeste, que é encabeçado pelo governador Rui Costa. (Com informações do site compartilhabahia.com.br)

Na matéria informava que a Biogeoenergy pretendia investir na fabricação de respiradores em Camaçari, e que a empresa Hempcare pretendia vender esses equipamentos.

Ligando os fatos da para perceber que caso a Biogeoenergy conseguisse a tempo montar os aparelhos, a Hempcare poderia entregar ao Consórcio Nordeste os aparelhos fabricados em Camaçari, no lugar dos que foram encomendados da China e terem um lucro astronômico.

O governo do estado deu todo apoio a Biogeoenergy para que ela se habilitasse a fabricar os respiradores em Camaçari, mas algo deu errado e a Biogeoenergy não conseguiu, conseqüentemente a Hempcare não teve como entregar o que tinha vendido e o escândalo virou caso de polícia.

“Em nota divulgada o vice-governador da Bahia, João Leão (PP), vai processar judicialmente, por danos morais, os empresários Paulo de Tarso, CEO da empresa Biogeoenergy, preso na Operação Ragnarok e que está sendo investigado pela fraude na compra de respiradores pelo Consórcio Nordeste, e o empresário Cleber Isaac, citado como intermediário no caso.” (site Bahia Notícias.)

A informação foi divulgada através de nota pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE), que João Leão é o titular, nesta segunda-feira (15).

O vice-governador da Bahia foi citado em depoimento do empresário Paulo de Tarso, no âmbito da Operação Ragnarok. De Tarde afirmou que Cleber Isaac teria se apresentado como representante da Bahia durante uma visita à fábrica da Biogeoenergy, e também como pessoa com influência política junto a Leão.

“Diferente do que foi dito pelo Paulo de Tarso, ele procurou a SDE interessado em abrir fábrica do equipamento na Bahia, jamais tratamos de contrato comercial, pois este não é o mote de atuação da SDE. Além disso, eu jamais tutelei o Cleber Isaac para representar o governo em tratativa comercial, nem o conhecia. Estou processando os dois”, afirmou João Leão.

Consórcio do Nordeste comprou respiradores por R$ 48,7 milhões, e empresa não entregou. processo, que estava com o Tj-BA, foi encaminhado ao STJ, e governo da Bahia tenta manter caso no estado.
A compra dos respiradores mecânicos resultou na Operação Ragnarok, que resultou na prisão de Cristiana Preste, e Luiz Henrique Ramos, dono da Hempcare, além do diretor da Biogeoenergy, Paulo de Tarso Carlos. Eles foram soltos após cumprirem prisão temporária de cinco dias.

A empresa Hempcare foi alvo da operação, no início deste mês de junho, após vender os respiradores por R$ 48,7 milhões. A empresa não entregou os equipamentos, nem devolveu o dinheiro. A outra empresa, a Biogeoenergy também é alvo da investigação.

Leia a integra da matéria publicada no dia 11 no jornal A Tarde

O Governo do Estado assinará um protocolo de intenções com a empresa Biogeoenergy, do Grupo Geoterra, nesta segunda-feira, 11, às 9h, para a fabricação de aparelhos respiradores no combate à pandemia da Covid-19 (novo coronavírus) na Bahia. A iniciativa pretende otimizar a produção dos equipamentos, uma vez que as compras de respiradores da China não foram concluídas – a primeira ficou retida nos Estados Unidos e a segunda, cancelada pelo governo baiano.

A implantação da linha de montagem da nova empresa em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), terá o apoio técnico do Senai Cimatec (instituição referência em educação, pesquisa e inovação), que ofereceu condições especiais, como a divisão em 50% dos custos de condomínio e de aluguel da área.

A chegada da empresa é comemorada pelo vice-governador do Estado e secretário Estadual de Desenvolvimento Econômico, João Leão (PP). “Estamos vivendo um período muito difícil. A Bahia se sente privilegiada de uma fábrica dessa natureza se instalar por aqui. Vai atender ao mercado baiano, à região Nordeste, aos estados brasileiros e até mesmo à América do Sul”. Leão revelou que tem recebido diversas ligações de prefeitos de municípios baianos, solicitando o respirador, mas, como o equipamento está em falta no mercado, não tem como atender à demanda.

Trabalho
De acordo com o sócio-fundador da Biogeoenergy, Paulo Tarso, a vinda da empresa vai criar oportunidades de trabalho, especialmente neste momento crítico e de incertezas. “Devem ser gerados aproximadamente 180 vagas de emprego. O melhor é que toda a Bahia e o Consórcio Nordeste vão poder comprar os equipamentos fabricados na própria região, sem atrasos de entrega”, assegura. Ainda segundo Paulo Tarso, o preço de cada respirador deve ser muito inferior ao praticado na China, cujo valor pode chegar a R$ 200 mil.

A CEO da empresa Hempcare, Cristiana Prestes Taddeo, responsável pela distribuição e venda dos aparelhos da Biogeoenergy, diz que o principal objetivo é salvar vidas. “Quando percebemos que os respiradores importados, que são quase três vezes mais caros que os nossos, tinham longa espera para a entrega, resolvemos investir aqui, gerar emprego e salvar pessoas”. Cristiana revela que a demanda está alta e há reservas dos equipamentos em diversas cidades e estados do país, como Ceará, Amazonas, Rio de Janeiro, entre outros.

Nos últimos dias, respiradores provenientes da China chegaram ao estado do Pará, mas apresentaram defeito e estão sem uso. Segundo Cristiana, uma das vantagens de o equipamento ser fabricado aqui na Bahia é a facilidade de uma assistência técnica para possíveis consertos, caso necessários.

Investimento
A Biogeoenergy, que tem previsão de investimento em torno de R$ 60 milhões, iniciará a fabricação dos respiradores no começo do mês de junho, no Cimatec Park, em uma área total de 1.000m². A tecnologia aplicada será 100% nacional. Ou seja, dos circuitos eletrônicos até a caixa de metal do aparelho são peças produzidas no Brasil. A expectativa é produzir até 100 respiradores por dia.