Início Salvador Rebelião e morte de detentos deixam clima tenso em presídio do Complexo...

Rebelião e morte de detentos deixam clima tenso em presídio do Complexo da Mata Escura, em Salvador

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

O clima ficou bastante tenso, na tarde deste domingo (20/2), durante uma rebelião ocorrida dentro do Complexo Penitenciário da Mata Ecura, em Salvador. A situação teria sido iniciada, devido à rivalidade entre grupos de facções criminosas rivais, internos do sistema prisional. Com informações do Aratu ON

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Durante a tarde, logo após o início da confusão, diversos vídeos gravados dentro do presídio começaram a circular em grupos do WhatsApp, mostrando cenas de violência, tiroteios e pavor entre os presos.

Em nota enviada pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia, há a informação de que o confronto aconteceu no Pavilhão 2 e o Comando Geral da PM solicitou a presença de guarnições de unidades especializadas, inclusive do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), no local.

CONFIRA A NOTA
Uma briga entre grupos rivais e uma tentativa de fuga resultaram na morte de quatro internos da penitenciária Lemos de Brito, no Complexo Penitenciário da Mata Escura, na tarde deste domingo (20), em Salvador. Durante o confronto entre os detentos, ocorrido no pavilhão 2, outros presos tentaram sair pelo portão principal e foram impedidos pela guarda do presídio. Assim que tomou conhecimento do ocorrido, o secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização (SEAP), Nestor Duarte, acionou o Comando Geral da PM para o envio de reforços do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), das Operações Gêmeos e Apolo, do Batalhão de Choque e do Grupamento Aéreo da PM (GRAER). Uma varredura nas alas afetadas foi realizada para evitar novos incidentes. O Departamento de Polícia Técnica esteve no local para realização de perícia. As mortes são investigadas pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).