Início Destaque “Quero viver tempo suficiente para ver aquela garota”: mulher de 92 anos...

“Quero viver tempo suficiente para ver aquela garota”: mulher de 92 anos desafia as chances para conhecer a trineta

Nunca devemos subestimar o poder do amor, e a mulher de 92 anos que vamos mostrar em seguida é um exemplo disso. Apesar de estar gravemente doente, e ter apenas alguns dias de vida, ela estava decidida a ver a sua trineta nascer. Para além disso, ela não conseguia abandonar o seu marido de há 75 anos. Conheça toda a história dessa idosa adorável, contada pela neta Kayla Tracy!

“Setenta e cinco anos. Setenta e cinco anos é o tempo que estes dois apaixonados estão casados. Dentro desses 75 anos, houve muitos sofrimentos, bem como risos e bons momentos. Eles são um casal por completo. Eles criaram três meninos fortes e iam sempre à igreja todos os domingos.

(Foto: Reprodução)

Meu bisavô serviu na Segunda Guerra Mundial e vive pelo lema: ‘Trabalhe todos os dias ou você terá um curto prazo’. Este homem é cego e perdeu 90% de sua audição, e ainda trabalha com um cortador de tronco e alimenta os peixes numa lagoa dentro da sua terra…

(Foto: Reprodução)

No entanto, quando a minha bisavó de 92 anos foi informada há nove semanas atrás de que ela só teria três semanas para viver, o mundo inteiro parou de girar. O médico que cuida da minha bisavó disse a seus filhos que, julgando por seus sinais vitais, ela não estava indo muito bem. Ela estava mostrando sinais de insuficiência renal.

(Foto: Reprodução)

Quando minha família ouviu isso, rezamos mais do que nunca. Passou uma semana ou mais, e minha irmã decidiu que ela deixaria seu trabalho para cuidar da minha bisavó. Minha irmã também estava grávida no momento. Ela cuidava da nossa bisavó quando podia, antes de entrar em trabalho de parto às 36 semanas. Minha bisavó disse a ela: ‘Eu só quero viver o tempo suficiente para ver aquela garotinha.’ O dia em que Magnolia Jean chegou ao mundo, minha bisavó ficou tão animada! Especialmente porque Magnolia recebeu o seu nome, Jean Roper.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

A partir desse dia, minha bisavó mudou completamente. Ela estava se levantando sozinha, fazendo o café da manhã do bisavô, e até mesmo fazendo tarefas domésticas. Ela mal podia esperar que a minha irmã chegasse com a sua nova bebê. Claro que apareci para documentar esse momento também. Desde então, minha bisavó tem ido muito bem! Já passaram nove semanas desde o diagnóstico.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Ela agora está comemorando o 75º aniversário de casamento com o meu bisavô, a 5 de março de 2018. No domingo, eles escolheram celebrar com antecedência almoçando no Cracker Barrel. Então, eles se encontraram comigo para tirar fotos em seus belos 85 hectares.

(Foto: Reprodução)

Depois do seu diagnóstico, a bisavó deixou de se sentir bonita, apesar de todos termos dito a ela o quão bonita ela ainda era…

Quando eles saíram de seu carro, eu poderia dizer que ela se sentia bonita! Ela estava ajeitando o seu cabelo constantemente, e me perguntando se a sua maquiagem estava boa! Eu disse: ‘Você está bonita, você está radiante de amor’. Ela respondeu: ‘Isso é bom, estou feliz por estar ainda radiante de amor depois de 75 anos’.

Pedi que beijasse o meu bisavô para que eu pudesse tirar uma doce foto, mas em vez disso ela olhou para mim e me deu esse enorme sorriso e apenas corou. Eu disse: ‘Tudo bem, eu não vou olhar.’”

“Em vez disso, pedi que beijasse a sua bochecha. Pelo menos, consegui esse tiro perfeito!

(Foto: Reprodução)

Meus avós criaram uma família enorme. Eles têm sete bisnetos, 11 bisnetas e um trineto a caminho.”

“Uma vez que eles têm uma lagoa em suas terras, todos íamos pescar juntos. Uma vez, durante a pesca, a minha bisavó pegou dois peixinhos em uma linha! Então, depois de um dia inteiro de pesca, voltámos a sua casa, nos lavámos e comemos um cone de sorvete. Um dos meus melhores momentos passados ​​com ela tem que ser ou ouvi-la tocar música em seu órgão. Ela também tocava na nossa igreja batista local…

(Foto: Reprodução)

Tirar essas fotos é uma das muitas razões pelas quais eu me tornei uma fotógrafa. Para poder pausar esses momentos para minha família e para eles, significa tudo para mim. Eu gosto de fotografá-los a cada segundo que recebo. Eu sou tão abençoada por ter conseguido capturar esse amor verdadeiro. Um amor que só posso esperar ter com o meu marido. Quero que todos vejam essas fotos e saibam, o verdadeiro amor é real”.

Fonte: Love What Matters