Início Brasil Quer viajar? Conheça cinco chapadas no Brasil para visitar em qualquer época

Quer viajar? Conheça cinco chapadas no Brasil para visitar em qualquer época

Não é preciso habilidade ou preparo físico especial para embarcar na aventura que é desvendá-las

Feche os olhos. Imagine o horizonte verde a perder de vista, silêncio cortado apenas pelo curso dos rios e pelo barulho de pássaros e animais selvagens. Abra os olhos. Esses cenários de diversidade de ecossistemas existem além da sua imaginação. Nas chapadas brasileiras, que estão à sua espera, não é preciso habilidade ou preparo físico especial para embarcar na aventura que é desvendá-las.

Formações geográficas típicas do Brasil, as chapadas são caracterizadas por áreas planas localizadas no alto de serras, abundantes em água e entrecortadas por cachoeiras, lagos, rios e grutas.

Abaixo, mostramos cinco parques dignos de visita pelo menos uma vez. Em todos eles, ecoturismo e aventura andam juntos. Basta peito aberto para deslumbrar-se.

Chapada Diamantina, na Bahia
Nem só de praia é feita a paisagem da Bahia. Prova natural e viva é a Chapada Diamantina, destino certo para quem aprecia uma vegetação singular, mirantes, águas cristalinas, montanhas, e cachoeiras. São mais de 1 500 km² de extensão que reúnem grutas com salões subterrâneos e cânions gigantes.

Além dos cenários naturais, o local oferece estrutura pronta para o turismo. Tida como a capital da Chapada, a pequena Lençóis tem hotéis e restaurantes a preços variados. De lá, é possível percorrer outras localidades, como a hippie Vale do Capão, as cachoeiras de Ibicoara, a histórica Igatu, o Vale do Paty e a novidade da vez, Itaetê, berço de quedas-d’água. A Chapada Diamantina fica a 394km da capital, Salvador.

Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso

O estado do Mato Grosso guarda uma relíquia ecológica. Repleta de recursos naturais, a Chapada dos Guimarães, a 70 quilômetros da capital, Cuiabá, é um deleite para os olhos e o espírito aventureiro. Com acesso fácil, o Parque Nacional da Chapada, criado em 1989, tem cavernas, cachoeiras e paredões que se espalham por mais de 150 quilômetros. As piscinas naturais que se formam amenizam o calor do Cerrado, um dos biomas da região. Bem estruturada, a cidade oferece opções de hospedagem para todos os bolsos, de hotéis a locais para acampar.

Chapada dos Veadeiros, em Goiás
Nascentes, trilhas e cachoeiras ajudam a formar a paisagem de rara beleza da Chapada dos Veadeiros, entre os municípios de Cavalcante e Alto Paraíso de Goiás, a cerca de 230 quilômetros de Brasília. Declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO, em 2001, o lugar atrai tanto os interessados em ecoturismo e aventura como os místicos em busca de energias cósmicas. Um charme além da natureza é a pequena Vila de São Jorge, onde todos os perfis de viajantes se encontram.

Chapada das Mesas, no Maranhão

Área de proteção ambiental, o Parque Nacional da Chapada das Mesas fica no Centro-Sul do Maranhão, próximo à divisa com o Tocantins, e abrange os municípios de Carolina e Riachão, a cerca de 920 quilômetros de São Luis. As formações rochosas são espécie de esculturas que podem ser admiradas durante boa parte da viagem. As cachoeiras são um deleite à parte. Hospitaleira, mas ainda carente de estrutura, a região exige que os passeios sejam feitos em carros de tração 4×4.

Chapada das Mesas, no Maranhão Foto: Divulgação

Chapada do Araripe, no Ceará
Pouco conhecida, mas não menos bela e igualmente instigante pelas paisagens, a Chapada do Araripe exibe uma floresta com campos verdes e morros chapados: uma grande muralha que divide os estados do Ceará, Pernambuco e Piauí. Conhecida como “pulmão para o sertão”, é o rumo ideal para quem busca atividades ligadas ao ecoturismo e esportes de aventura, mas também permite bons dias de sossego.
A Chapada do Araripe é um geoparque que reúne atrativos naturais e culturais que dinamizam o turismo em seis municípios da região do Cariri cearense. As principais atrações estão próximas das cidades de Crato e Barbalha, vizinhas, a cerca de 570 quilômetros de Fortaleza. De clima quente e árido, o ideal é evitar os meses de verão intenso, de dezembro a fevereiro.