Início Bahia Que preju! 4 mil turistas saem de Morro de São Paulo após...

Que preju! 4 mil turistas saem de Morro de São Paulo após apagão de 48h

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE
Crédito da Foto: Morro de São Paulo | Rennan Calixto/GOVBA

Entre 2 e 4 mil turistas deixaram Morro de São Paulo nesta semana enquanto a ilha penava sem energia elétrica por mais de 48 horas. Essa é a estimativa da Associação Comercial Empresarial de Cairu (ACEC), que considera a situação como uma catástrofe sem precedentes. “Sem energia, não tinha bomba para encher o tanque de água, não tinha como conservar os alimentes e os restaurantes abrirem. Os turistas ficaram sem opção a não ser voltar para casa”, disse Christian Willy, presidente da instituição.

A Prefeitura ainda não tem uma estimativa de quanto foi o prejuízo financeiro, mas os comerciantes tem na ponta da língua as perdas. Dos 20 clientes que estavam hospedados no estabelecimento de Fabrício Matos, 18 foram embora sem pagar, pois, sem energia, não era possível fazer o pagamento por cartão de crédito ou pix.

“Alguns abordamos depois e todo mundo pagou. Teve também os que tinham a reserva ativa e tivemos que fazer o estorno dos dias que eles não ficaram. Outros viriam para cá nesse período e cancelaram a viagem”, diz o empresário, que calcula um prejuízo de cerca de 50% do seu faturamento normal. “Também perdi alimento que estragou e ficamos sem água”, lembra.

É que, sem energia elétrica, não era possível funcionar as máquinas de abastecimento de água na ilha. Os únicos locais que conseguiram funcionar foram os que tinham geradores. A energia na cidade foi interrompida as 18h dessa segunda-feira (19) e só retornou por volta das 20h30 da quarta-feira (21).

Uns dos turistas que deixaram o local foi o casal Samila Ferrer e Guilherme Paiva, que vieram de São Paulo para conhecer pela primeira Morro de São Paulo. “A gente chegou no sábado e logo na segunda acabou a energia. Logo depois acabou a água. Na terça-feira, ainda fizemos um passeio, pois pensávamos que fosse voltar, mas nada. Na quarta de manhã não tivemos outra opção a não ser ir para Salvador”, descreve. É na capital baiana que o casal está atualmente.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

“De certa forma, foi bom, pois estamos conhecendo locais novos aqui”, diz Samila, que apesar dos problemas vividos em Morro de São Paulo, vai continuar recomendando a cidade.

“Tudo é realmente muito bonito, o pessoal é acolhedor, atende bem e não tivemos problemas. A gente recomenda sim, apesar dessa situação. Mas recomendo também a pessoa sempre levar um carregador portátil e ter ações para se prevenir de eventualidades como essa”, explica.

Falta de energia na ilha é recorrente
Segundo os moradores, essa não é a primeira vez que Morro de São Paulo sofre com falta de energia. “O problema é que passa ano, entra ano e a Coelba não dá solução definitiva. Eles reestabeleceram a energia e ainda continuam partes sem luz, o que é corriqueiro. O ano todo tem isso. É tanta gente nos procurando preocupados, dizendo que vão perder carne, comida. Nesse momento de pandemia, é triste demais”, desabafa o secretário especial de Morro de São Paulo, Eduardo Ferraz.

O empresário Fabricio Matos também reclama da Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia. “Esses cortes de energia geram uma bagunça total e quem paga somos nós moradores, que vivemos do local. Eu já perdi ar condicionado, TV, frigobar, máquina de lavar, geladeira, videogame, computador, notebook… fora os clientes que não entendem a falta de energia e ainda processam a gente”, disse o dono de pousada.

O presidente da ACEC espera que, após esse apagão de mais de 48 horas ter atingido a ilha, a Coelba faça os investimentos necessários para que não haja esse problema em Morro de São Paulo. “Eu imagino que agora, após essa catástrofe, os investimentos vão ocorrer em velocidade maior para que evite esse problema que dura 10 anos. A infraestrutura não acompanha o desenvolvimento de Morro de São Paulo, mas precisamos fazer uma virada e não perder os turistas”, defende.

* Com informações do Correio da Bahia