Início Brasil Professor é investigado após indagar se universitária prefere ser ‘estuprada no seco’

Professor é investigado após indagar se universitária prefere ser ‘estuprada no seco’

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

Um professor de medicina de uma faculdade privada em Belém, no Pará, o Centro Universitário Metropolitano da Amazônia (Unifamaz), será investigado após questionar uma estudante se ela iria preferir usar um lubrificante ou ser estuprada “no seco” durante uma atividade em sala de aula.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

De acordo com o jornal O Globo, a Polícia Civil do Pará está cuidando do caso, que ganhou repercussão nacional após o vídeo do momento viralizar na internet. A publicação afirma que o caso foi registrado e está sendo analisado pela Divisão Especializada no Atendimento à Mulher como importunação sexual.

Na ocasião, que aconteceu no dia 17 de novembro, o profissional auxiliava os alunos no processo de intubação de um boneco, quando ele questionou a adolescente se ela não iria lubrificar o equipamento para inserir no boneco.

Após ouvir a negativa da estudante, o professor então faz a declaração com apologia ao estupro. “Quero ver se quando a senhora for estuprada vai querer levar o KY para facilitar a vida ou vai preferir no seco mesmo”, disse.

Por meio de nota a faculdade afirmou que está apurando o fato.

“O UNIFAMAZ reafirma seu compromisso com o ensino de qualidade, pautados no respeito humano e na integridade pessoal. Dessa forma, repudia veemente qualquer prática inadequada na relação acadêmica professor-aluno”, diz a nota.

Com informações do Bahia Notícias