Início Brasil Pedreiro morre com leptospirose após peregrinar uma semana por unidades de saúde

Pedreiro morre com leptospirose após peregrinar uma semana por unidades de saúde

Pedreiro morre com leptospirose após peregrinar uma semana por unidades de saúde 1
O pedreiro Josimaicon de Macedo — Foto: Reprodução/TV Globo

Um pedreiro de 33 anos morreu depois de uma semana peregrinando por unidades de saúde da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Josimaicon de Macedo Castilho foi cinco vezes à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Sepetiba e ao Hospital Pedro II, em Santa Cruz. Mas quando finalmente o paciente recebeu o diagnóstico correto, que era leptospirose, o paciente não resistiu e morreu.

Josemaicon começou a passar mal com febre e dores no corpo no início da semana passada e procurou atendimento na UPA de Sepetiba. Na unidade, a família diz que ele recebeu remédios para as dores e foi liberado. Dois dias depois ele retornou à UPA, ainda muito mal, recebeu atendimento, e novamente voltou pra casa.

“O médico aplicou uma injeção nele, passou alguns remédios. Não fizeram nenhum exame e falaram que era infecção urinária sem ter exame nenhum”, afirmou a esposa Fernanda Cristina.

O estado de saúde de Josimaicon piorou e ele procurou atendimento no Hospital Pedro II. Mas novamente o pedreiro foi medicado com antibióticos e liberado. Ele chegou a procurar a UPA de Sepetiba pela terceira vez, mas o atendimento foi o mesmo.

No início dessa semana, o pedreiro acordou muito mal, sem conseguir ficar de pé. A família o levou mais uma vez para o Hospital Pedro II. Foi quando, finalmente, fizeram exames de sangue e urina que os médicos detectaram problemas nos rins e internaram Josimaicon na sala vermelha.

Nesta quarta (16), a esposa recebeu o resultado dos exames: era leptospirose. O pedreiro começou a ser tratado da doença apenas uma semana depois dos primeiros sintomas, e já era tarde demais. Josimaicon teve 4 paradas cardiorrespiratórias e não resistiu.

A família está inconformada. “Já na segunda-feira ele acordou não estava nada bem, não estava conseguindo andar, não estava conseguindo falar. Aí que o médico foi ver a gravidade dele. Aí foi que eles fizeram o exame. Eu venho aqui pra falar da negligência da UPA e do hospital”, lamentou a esposa do pedreiro.

A Prefeitura do Rio diz que nas três vezes que Josimaicon procurou a UPA de Sepetiba foi atendido e liberado depois de apresentar melhora e que ele ficou internado no CTI do Pedro II quando o estado de saúde piorou. A direção do hospital afirma que tá à disposição da família para esclarecer qualquer dúvida.