Início Destaque O americano que recebeu 1º transplante de coração de porco da história

O americano que recebeu 1º transplante de coração de porco da história

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

Um paciente nos Estados Unidos se tornou a primeira pessoa no mundo a receber um transplante de coração geneticamente modificado de um porco.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

David Bennett, de 57 anos, passa bem, segundo os médicos, três dias após o procedimento experimental de sete horas em Baltimore.

O transplante foi considerado a última esperança de salvar a vida de Bennett, embora ainda não esteja claro quais são suas chances de sobrevivência a longo prazo.

“Era morrer ou fazer esse transplante”, explicou Bennett um dia antes da cirurgia. “Eu sei que é um tiro no escuro, mas é minha última escolha.”

Na foto, de 7 de janeiro, o cirurgião Muhammad M. Mohiuddin segura o coração de porco geneticamente modificado que seria colocado em David Bennett, um paciente de 57 anos com doença cardíaca terminal, no centro médico da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos. — Foto: Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland (UMSOM) (via Reuters)

Médicos do Centro Médico da Universidade de Maryland receberam uma licença especial do regulador médico dos EUA para realizar o procedimento, com base no fato de que Bennett teria morrido sem ele.

Ele foi considerado inelegível para um transplante humano – decisão que costuma ser tomada quando o paciente está com a saúde muito debilitada.

Para a equipe médica que realizou o transplante, o procedimento inédito é o ápice de anos de pesquisa e poderá mudar vidas em todo o mundo.

‘Um passo mais perto’

Cirurgiões realizam transplante de coração em David Bennett no Centro Médico da Universidade de Maryland, em Baltimore, em foto de 7 de janeiro — Foto: University of Maryland School of Medicine (UMSOM)/Handout via Reuters

O cirurgião Bartley Griffith disse que a cirurgia deixa o mundo “um passo mais perto de resolver a crise de escassez de órgãos”, segundo comunicado da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland.

Hoje, 17 pessoas morrem por dia nos EUA à espera de um transplante, com mais de 100 mil na lista de espera.

A possibilidade de usar órgãos de animais para o chamado xenotransplante (transplante de células, tecidos ou órgãos de uma espécie para outra) para atender a demanda por transplantes é uma possibilidade estudada há anos. O uso de válvulas cardíacas de porco já é comum.

Cirurgiões fazem transplante de coração de porco em humano em Baltimore, Maryland, no dia 7 de janeiro. — Foto: Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland (UMSOM)/Divulgação via Reuters

Em outubro de 2021, cirurgiões em Nova York anunciaram que haviam transplantado com sucesso um rim de porco em uma pessoa. Na época, a operação era o experimento mais avançado feito até então. No entanto, o destinatário naquela ocasião estava com morte cerebral e sem esperança de recuperação.

Bennett espera que seu transplante permita que ele continue vivendo. Ele ficou de cama por seis semanas antes da cirurgia e ligado a uma máquina que o manteve vivo depois que ele foi diagnosticado com doença cardíaca terminal.

“Não vejo a hora de sair da cama depois que me recuperar”, disse ele na semana passada.

Na segunda-feira (10/1), foi relatado que Bennett já respirava sozinho. Mas não está claro exatamente o que acontecerá a partir de agora.

O porco usado no transplante foi geneticamente modificado para eliminar vários genes que teriam levado o órgão a ser rejeitado pelo corpo de Bennett, informou a agência de notícias AFP.

David Bennett Jr, filho do paciente, disse à Associated Press que a família está em “território desconhecido neste momento”. Mas acrescentou: “Ele percebe a magnitude do que foi feito e realmente percebe a importância disso”.

“Nós nunca havíamos feito isso em um humano e eu gosto de pensar que nós demos a ele uma opção melhor do que continuar sua terapia”, disse o cirurgião Bartley Griffith. “Mas se [ele viverá] um dia, semana, mês, ano, eu não sei dizer.”

Com informações do G1