Início Porto de Sauípe Novas manchas de óleo atingem Porto de Sauípe

Novas manchas de óleo atingem Porto de Sauípe

Novas manchas de óleo atingem Porto de Sauípe 1
Mulher se arriscou em banho de mar neste sábado (26) e saiu com óleo no corpo na praia de Itapuã, em Salvador (Foto: Divulgação)

Novas manchas de óleo atingiram a praia de Porto de Sauípe, no município de Entre Rios, no litoral da Bahia. Informações iniciais apontam que as novas manchas foram notadas neste sábado (26). A informação é da Superintendência de Proteção e Defesa Civil da Bahia (Sudec) e do Instituto do Meio-Ambiente e Recursos Hídricos (Inema). O estado está em situação de emergência.

Conforme informou a Sudec, equipes do Corpo de Bombeiros serão deslocadas até a praia na manhã de domingo (27). Informou ainda que o Ibama também acionou equipes da Petrobras.

Por conta desse desastre ambiental, um grupo protestou na tarde deste sábado no Farol da Barra, em Salvador. Com cartazes, os manifestantes disseram que o Brasil está manchado de óleo e o que ocorreu é um crime ambiental. Eles não fizeram caminhada, mas discursaram no local e destacaram a importância do cuidado com o meio ambiente.

Do outro lado da cidade, no bairro de Itapuã, teve gente que arriscou ir à praia, mas evitou entrar na água ao ver pelotas de óleo na areia. Quem optou por tomar um banho de mar, saiu com óleo no corpo, como foi com a dona de casa Bárbara Maria.

“Vim para praia tomar um banho e está acontecendo isso. Você está em uma água linda e maravilhosa. De repente você sai suja de óleo”, disse Bárbara.

Em pleno dia de sol, com temperatura variando entre 24ºC e 31ºC – de acordo com o Inmet – as praias de Salvador tiveram pouco movimento neste sábado. O dono de uma barraca de praia, Noel Rocha, conta que está com prejuízo desde que as manchas apareceram na praia da capital baiana.

“Prejuízo pra todo mundo, temos gastos altos”, destacou.

Mais de trezentas toneladas de óleo já trouxeram prejuízos a pelo menos 60 praias baianas. Agora, o governo federal mudou a estratégia e para aumentar o efetivo empregado, o grupo de acompanhamento e avaliação que funcionava no segundo distrito naval foi transferido para Brasília. O centro em Salvador vai continuar coordenando as ações apenas no estado.

Por G1/Bahia