Início Brasil Na iminência de desabastecimento, presidente do Sindicombustíveis pede à população não abastecer...

Na iminência de desabastecimento, presidente do Sindicombustíveis pede à população não abastecer ‘além do normal’

Por Juliana Nobre | BNews

O protesto dos caminhoneiros contra o aumento do preço do diesel tem provocado consequências à população. Com a paralisação, postos de combustível em determinados estados chegaram a vender o litro da gasolina por R$ 8,99. Filas métricas foram registradas na entrada dos postos nesta quarta-feira (23), causando temor da falta de combustível.

Em conversa com o BNews, o presidente do Sindicombustíveis, Walter Tannus, pediu para a população “não se desesperar”. “Mando uma mensagem para o consumidor não se desesperar e continuar abastecendo normalmente porque se levarmos o pânico à população com certeza virá o desabastecimento. Que o consumidor seja consciente”, defendeu.

O sindicalista ainda defendeu a manifestação dos caminhoneiros. “É legítima. Todo mundo precisa lutar pela sobrevivência. Tem lugares que donos de postos estão apoiando os caminhoneiros. Tem posto no interior da Bahia fechando porque não tem capital de giro”.

O desabastecimento já é realidade em regiões do Estado. Segundo o sindicato já não tem mais combustível em Capim Grosso, Vitória da Conquista, cidades do Extremo Sul da Bahia, Itabuna e Ilhéus, além de alguns postos da capital baiana.

Fiscalização e lei da Bomba Fraudada

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Angelo Coronel, e os deputados estaduais Leur Lomanto Jr. (DEM), Zé Neto (PT) e Rosemberg Pinto (PT) debateram, nesta quarta-feira (23), a lei que fiscalizará bombas de combustíveis na tentativa de evitar fraudadores. Participaram da conversa, o presidente do Sindicombustíveis, e representantes da Petrobras, Shell e Ipiranga.

Coronel, autor da lei, explicou que o Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade (Ibametro) é o órgão estadual que fiscalizará as bombas de combustível. Segundo ele, ao ser constatada a fraude, o posto será imediatamente fechado e o proprietário do estabelecimento ficará impedido de exercer a atividade por cinco anos. “Já existe no sul do Brasil postos que vendem apenas 30% do combustível real. Aqui na Bahia, o posto que for detectada a fraude será lacrado com isso vamos inibir a fraude. Aqui ainda não foi constada nenhuma fraude, mas estamos fazendo uma prevenção”.

O consumidor que suspeitar de alterações no combustível pode contatar o Ibamento que fiscalizará o local.

O deputado Rosemberg Pinto, ex-funcionário da Petrobras criticou a política adotada pela estatal e o governo federal. Segundo ele o governo estimulou a importação de derivados e diminuiu o refino no Brasil, o que provocou o repasse imediato ao consumidor. “Além disso estamos vivendo o fator significativo nos últimos meses que foi o aumento no barril de petróleo que nos governos anteriores havia mudança paulatinamente e não brusca como aconteceu agora, que fez o repasse imediato, de 80% do barril do petróleo. Isso refletiu e o governo não controlou e repassou isso para o distribuidor que passou para os pontos de venda”.

Para solucionar o problema, de acordo com o parlamentar, o governo federal precisa repensar a tributação e ampliar o refino no Brasil para o produto ser consumido aqui.