Início Brasil Mulher joga maracujá congelado pela janela e atinge idosa durante manifestação contra...

Mulher joga maracujá congelado pela janela e atinge idosa durante manifestação contra STF

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

Uma idosa de 73 anos que participava da “Marcha da Família Cristã pela Liberdade”, em Curitiba, e reclamava de ações do Supremo Tribunal Federal (STF) foi atingida com um maracujá congelado na cabeça neste domingo (11/4). A suspeita de ter cometido o ato é uma psicóloga de 53 anos, que mora no 13º andar de prédio localizado na Avenida Visconde de Guarapuava, no bairro Batel, onde ocorria a manifestação.

Ela foi presa por tentativa de homicídio. Segundo o Uol, a idosa caiu no chão por volta das 17h, ficou desacordada e precisou ser encaminhada para atendimento médico no Hospital Evangélico Mackenzie. Ela recebeu pontos na cabeça, sendo liberada no final do dia.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

“Ela tomou pontos na cabeça, recebeu alta e já está em casa. Todo mundo viu a mulher jogando as frutas, sendo que uma dessas acertou essa senhora. Era uma marcha tranquila e sem nenhum incidente. Uma mulher de 53 anos quase matar alguém mostra que vivemos o fim do mundo mesmo”, contou Renato Gasparin, um dos coordenadores da marcha.

O movimento repudiava a decisão do STF que deu autonomia aos estados e municípios para vetarem templos religiosos durante as restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus. “A gente não pode levar bandeira do Brasil que o pessoal já pensa que é evento do [presidente Jair] Bolsonaro. A marcha ontem era pela família cristã. Acredito que essa mulher pensou que ficaria impune ou que ninguém a perceberia”, comentou Gasparin.

Um boletim de ocorrências foi registrado na Central de Flagrantes de Curitiba, depois encaminhado ao 5º Distrito Policial. A Polícia Civil informou que a mulher continua presa aguardando audiência de custódia.

Com informações do Aratu ON