Início Brasil Manchas de óleo voltam ao Ceará após dois meses sem notificações no...

Manchas de óleo voltam ao Ceará após dois meses sem notificações no estado

Manchas de óleo voltam ao Ceará após dois meses sem notificações no estado 1
Praias do Ceará voltam a ter manchas de óleo depois de dois meses — Foto: Arquivo pessoal

Marcas de petróleo cru voltaram a aparecer no litoral cearense, entre a noite do último domingo e a manhã desta segunda-feira (30). Desde outubro a poluição não era registrada no litoral cearense. Desta vez, os locais atingidos são as praias de Caetanos de Cima e Caetanos de Baixo, no município de Amontada; e da Barra do Poço Velho, em Itapipoca. A região fica no litoral Oeste do Ceará.

Até sexta-feira (27), data do mais recente levantamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), foram 980 pontos atingidos pelas manchas de óleo. A contaminação atingiu todos os nove estados do Nordeste, além de praias do Espírito Santo e Rio de Janeiro.

A partir de novembro, o Ibama mudou a metodologia para registrar os locais e passou a considerar áreas menores de costa para registrar os avistamentos dos vestígios de óleo, isso fez com que houvesse um crescimento no número de locais atingidos em novembro e dezembro.

Óleo em maior quantidade

Em vídeos divulgados nas redes sociais, pescadores cearenses mostram o acúmulo do material misturado a pedras e algas, na orla do município. “Já tinha aparecido no início de outubro, só que era em pouquíssima quantidade. Dessa vez tem mais”, explica a Rede de Turismo Comunitário de Caetanos de Cima.

A comunidade de Caetanos de Cima é formada por pescadores e pescadoras artesanais, agricultores e agricultoras tradicionais campesinos. Atualmente, cerca de 200 pessoas vivem na localidade, com atividades de pesca artesanal, agricultura camponesa, turismo comunitário e manifestações culturais. A mancha de óleo afeta diretamente a produtividade do local.

A Marinha do Brasil e a Autarquia de Meio Ambiente de Amontada foram informadas e, segundo a Rede, elas vão enviar representantes ao local. No momento, nenhum voluntário tenta retirar o material porque não estão com os equipamentos adequados, diz a Rede. “Estamos à espera dos órgãos responsáveis e orientando os visitantes e comunitários a não tomarem banho de mar, nem a limparem sem equipamentos”, afirma.

Poluição à deriva

O professor do Instituto de Ciências do Mar (Labomar) da Universidade Federal do Ceará (UFC), Rivelino Cavalcante, destaca que o reaparecimento do material evidencia uma grande quantidade de óleo ainda à deriva no oceano. “Já era para ele estar mais decomposto, no nível de micropartículas, ou até no nível molecular, no tamanho que não seria visto tão fácil a olho nu. Isso evidencia que há muito material”, afirma.

Além disso, segundo o especialista, o material voltou a aparecer por conta do fenômeno “swell”, como é conhecida a ressaca do mar. “Provavelmente, esse material está sendo remobilizado. Ele pode estar no fundo do assoalho oceânico. Nossa plataforma é carbonácea, ela tende a precipitar esse material, ou seja, ele fica no fundo por conta do carbonato. Depois, com esse evento extremo de ressaca, ele suspende o material, que volta a aparecer na praia”, ressalta.

No início deste mês, a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) informou que manterá a posição de alerta para o risco de aparecimento de novas manchas de óleo no litoral até o mês de março. A medida ocorre justamente pela maior frequência do swell na área do Oceano Atlântico que corresponde ao Nordeste, nesta época do ano.

Conforme o mais recente mapa das áreas com localidades oleadas no litoral brasileiro, elaborada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em 27 de dezembro, três pontos do Ceará apresentavam “vestígios” com até 10% de contaminação por óleo: Praia do Cumbuco, em Caucaia; Lagoinha, em Paraipaba; e Pontal do Maceió, em Fortim. Desde 30 de agosto, outras 38 localidades também apresentaram manchas, mas não na última revisita dos órgãos ambientais.

Com informações do G1