Início Brasil Magalu anuncia compra de duas plataformas focadas em delivery

Magalu anuncia compra de duas plataformas focadas em delivery

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

O Magazine Luiza anunciou, na terça-feira (30), a aquisição de duas plataformas focadas em delivery de alimentos prontos, de acordo com a revista Exame. Segundo a reportagem, a primeira compra é a do app ToNoLucro, que se destaca pela atuação em Goiás, Pará e Tocantins, com 5 mil restaurantes cadastrados. A segunda, da plataforma GrandChef, que se destaca pela gestão completa de mais de 3 mil restaurantes em 25 estados

As aquisições reforçam os planos do Magalu em se tornar um “super app” e seguir os passos do Alibaba, gigante fundada por Jack Ma, avaliada em mais de US$ 500 bilhões. Ainda assim, a companhia não está sozinha nessa missão em território brasileiro – o markeplace Rappi, fundado na Colômbia, também segue o objetivo de reunir diferentes serviços em sua plataforma e se destacou recentemente por voltar a operar com o Grupo Pão de Açúcar.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Nesse sentido, o app colombiano tem uma pequena vantagem no segmento de alimentação (em termos de oferta). O Rappi já oferece aos clientes o delivery de produtos frescos (incluindo a rede de hortifruti Oba, por exemplo) enquanto o app do Magazine Luiza ainda não faz entregas relacionadas a esse segmento.

A revista detalha que o foco digital do Magalu não é exatamente novo. Em setembro do ano passado, foi feita a primeira aquisição no setor de delivery, a do aplicativo AiQFome, presente em 500 cidades e que processa, anualmente, R$ 1 bilhão em pedidos.

As aquisições acontecem pouco depois de as ações da varejista despencarem na bolsa brasileira. Com fatores como a pandemia, o aumento das restrições de circulação e o auxílio emergencial em valor menor do que o oferecido em 2020, as ações passaram de R$ 25 para R$ 19.

Com informações do BNews