Início Camaçari Justiça rejeita ação do MP que pedia prisão de vereadores de Camaçari

Justiça rejeita ação do MP que pedia prisão de vereadores de Camaçari

Justiça rejeita ação do MP que pedia prisão de vereadores de Camaçari 1
Por: Juliana Nobre | BNews

A juíza Bianca Gomes da Silva, da 1ª vara criminal de Camaçari, rejeitou a ação do Ministério Público Estadual que pedia a prisão preventiva do presidente e vice-presidente da Câmara Municipal de Camaçari Oziel dos Santos Araújo e José Paulo Bezerra, conhecido como “Zé do Pão”. Além deles, mais 17 vereadores foram denunciados por associação criminosa.

Na ação, a magistrada aponta que apesar de estranhar a exoneração e contratação de todos os assessores parlamentares, com vencimentos majorados e quase idênticos aos valores questionados dos subsídios dos vereadores, a denúncia oferecida pelo promotor Everardo Yunes não possui sustentação para leva-los a condenação. “Mas daí a se concluir que tal situação retrata a existência de uma associação criminosa estabelecida pelos edis com o fim de se apropriar de dinheiro público há uma distância que o direito penal não tolera violar sem evidencias seguras, ao menos iniciais. Tais não restam demonstradas como bem explicou a defesa”, escreveu.

A juíza ainda registra que tal promotor não possuía atribuições para a denúncia. “Ante o exposto, considerando a ausência de atribuições do promotor subscritor da peça exordial, violando o princípio do promotor natural, bem como pela ausência de lastro probatório mínimo a sustentar a denúncia, rejeito-a”.

O caso

De acordo com a denúncia do MP-BA, os vereadores aprovaram em 2017 uma lei que aumentou os próprios salários em R$ 2.578,45, mas o pagamento dos novos valores foi suspenso por uma liminar judicial deferida a pedido do Ministério Público em uma ação civil pública. Por meio de uma possível manobra, o presidente da Casa teria exonerado 18 servidores comissionados ligados aos vereadores e nomeados no mesmo dia para cargos com salários maiores, para que a quantia excedente suprisse o valor que eles deixaram de receber por causa da liminar.