Início Notícias Indonésia nega pedido de clemência a outro brasileiro condenado à morte

Indonésia nega pedido de clemência a outro brasileiro condenado à morte

Escrit√≥rio da ONU para Direitos Humanos se diz ‚Äėpreocupado‚Äô com execu√ß√Ķes no pa√≠s

O Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores confirmou nesta ter√ßa-feira que o pedido de clem√™ncia que havia sido feito em nome do brasileiro Rodrigo Gularte foi negado pelo governo da Indon√©sia. O brasileiro foi detido em 2004 e condenado por tr√°fico de drogas a pena de morte. No √ļltimo fim de semana, outro brasileiro, Marco Archer, foi executado pelo mesmo crime.

Rodrigo est√° no ‘corredor da morte’ na Indon√©sia (Foto: Reprodu√ß√£o)

O Itamaraty esclareceu que continuará acompanhando o caso de Gularte até esgotar todas as alternativas para tentar livrar o brasileiro da morte.

A porta-voz do Alto Comissariado da Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas (ONU) para Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, pediu nesta ter√ßa-feira a suspens√£o da aplica√ß√£o da pena de morte para punir o tr√°fico de drogas na Indon√©sia, que executou seis prisioneiros por fuzilamento no √ļltimo fim de semana ignorando apelos internacionais.

Em comunicado divulgado nesta ter√ßa-feira, o escrit√≥rio da ONU para Direitos Humanos se diz ‚Äúpreocupado com o uso cont√≠nuo da pena de morte para o tr√°fico de drogas‚ÄĚ na Indon√©sia e em outros pa√≠ses do sudeste asi√°tico, como Vietn√£, Mal√°sia e Cingapura. A jurisprud√™ncia internacional para direitos humanos s√≥ a prev√™ para crimes contra a vida. A ONU pede que a Indon√©sia interrompa as execu√ß√Ķes e fa√ßa uma revis√£o de todos os requisitos que possam permitir a convers√£o das penas.

A ONU se diz preocupada com o respeito aos processos dos outros 60 condenados por tráfico no corredor da morte naquele país, como o brasileiro Rodrigo Gularte. Isso porque o presidente indonésio já adiantou que rejeitará todos os pedidos de clemência. Essa postura, diz a ONU, viola uma convenção internacional, da qual a Indonésia é signatária, que estabelece o direito de apelação.

 

Fonte: Correio da Bahia