Início Destaque Igor Kannário é condenado a pagar indenização aos policiais que chamou de...

Igor Kannário é condenado a pagar indenização aos policiais que chamou de “bunda mole” no carnaval

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

A polêmica envolvendo o cantor Igor Kannário e a Polícia Militar da Bahia ganhou mais um capítulo. Na sexta-feira (16/4). O juiz Ronaldo Alves Neves Filho, de Guanambi, condenou o político a pagar indenização a quatro oficiais por ter chamado os agentes de “bunda mole” durante o Carnaval de Salvador em 2020, enquanto puxava a pipoca no Campo Grande.

“Nesta senda, xingar Policiais Militares de “bunda mole”, bem como incitar milhares de pessoas contra a Polícia Militar em pleno carnaval, solicitando uma vaia para aquela não acrescenta em nada na coibição de eventuais abusos praticados por parte dos membros da referida corporação, mas, por outro viés, poderia ter levado até mesmo a uma situação de violência generalizada, acaso o incitamento aludido redundasse em agressão contra a tropa em trabalho”, diz o juiz, na decisão.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Na época, enquanto comandava a pipoca, Kannário xingou os agentes de modo geral, sem especificar nomes. A Justiça entendeu que os quatro policiais que entraram contra a ação, mesmo que não estivessem trabalhando no local naquele dia, deveriam receber R$ 4 mil do cantor.

Receberão a quantia o coronel Arthur Mascarenhas Fernandes e seus colegas Eduardo Antônio Souza Pacheco, José Roberto Suarez Santana e Lucas Garcia Viveiros. “Embora verifica-se dos autos que a conduta do acionado não se dirigiu de forma individual a nenhum dos requerentes, e que estes não estiveram presentes no evento e no momento das ofensas, estas foram de tal ordem que extrapolaram o direito de crítica comum, sendo de tal forma que, pelas circunstâncias da lide, mostra-se razoável o pleito de danos morais”, decidiu.

O cantor ainda pode recorrer a decisão.

Com informações do Aratu ON