Início Bahia Homicídios dobram neste fim de semana após anúncio de greve por grupo...

Homicídios dobram neste fim de semana após anúncio de greve por grupo da PM

Homicídios dobram neste fim de semana após anúncio de greve por grupo da PM 1

Em meio ao movimento de paralisação de um grupo de policiais militares ligados à Associação dos Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), foram registrados 17 homicídios em Salvador e região metropolitana entre esse sábado (12) e as 20h deste domingo, de acordo com o boletim diário da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

O número é mais que o dobro do que as mortes ocorridas no último fim de semana, dias 5 e 6, antes da deflagração da greve, quando foram oito casos. Os homicídios deste domingo ocorreram em Vera Cruz, Simões Filho, Alto do Peru e Lobato. Três deles são de vítimas do sexo masculino.

Para o líder da Aspra, o deputado estadual Marco Prisco (PSC), o aumento dos casos “não tem, necessariamente, a ver com o movimento de paralisação, principalmente pela Bahia já ser um estado violento” e isso não ser “um fato novo”, afirmou ele.

Depois de mais uma assembleia realizada no sábado, o grupo de PMs decidiu manter a paralisação, não reconhecida pela SSP-BA nem pelo Ministério Público.

Ainda segundo Prisco, o grupo está aberto a negociações. De acordo com a Associação, a assembleia realizada na noite da última sexta-feira reuniu três mil oficiais. Já a reunião de sábado, no mesmo horário, registrou a presença de cerca de quatro mil policiais. “A categoria continua ainda mais forte”, disse ele.

Mesmo com os números, foi possível notar, no fim de semana, a presença de viaturas e policiais militares nas ruas, como no Farol da Barra e Avenida Garibaldi, próximo ao monumento a Clériston Andrade.

Ainda não foram anunciados os próximos passos da Associação, mas são esperadas novas assembleias enquanto não houver um acordo com o governo.

Na última sexta-feira, ainda segundo a assessoria da Aspra, o secretário geral do Ministério Público Estadual, Paulo Gomez Junior, convidou advogados e um diretor da Associação para discutir a interlocução das demandas da categoria junto ao governo.

No total, 11 pontos integram a lista das reivindicações dos policiais militares, como a construção de um plano de carreira, de um código de ética, a reforma do estatuto da corporação e o reajuste do auxílio alimentação e do benefício da Condição Especial de Trabalho (CET).

O comandante geral da PM, Anselmo Brandão, já disse que analisou cada um dos pontos reivindicados pelos grevistas e que as pautas são extensas e não dependem apenas da Polícia Militar, como as mudanças no Planserv. Dependem também da arrecadação do estado.

Fonte: Informações do Jornal Correio*