Início Destaque Homens são presos em bairros de luxo em Salvador por tráfico de...

Homens são presos em bairros de luxo em Salvador por tráfico de drogas sintéticas

Homens são presos em bairros de luxo em Salvador por tráfico de drogas sintéticas 1

Festas privadas de luxo, raves e clientes de alto padrão eram os alvos de um grupo de homens, todos universitários, de classe alta entre 20 e 30 anos, para a venda de drogas sintéticas e haxixe em Salvador e Região Metropolitana. (por BNews)

Uma operação com 75 policiais civis através do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) cumpriu mandados de prisão preventiva na manhã desta terça-feira (25) de sete homens nos bairros do Corredor da Vitória, Ondina, Rio Vermelho e Vila Ruy Barbosa, na Cidade Baixa, além de Vilas do Atlântico, em Lauro de Freitas. Um oitavo suspeito já estava no presídio e mesmo assim monitorava a situação aqui fora, e agora vai responder também por esse agravante.

Desse total, ainda houve um flagrante na capital de um homem que estava portando 40 comprimidos dentro de casa. A polícia também apreendeu dois carros de luxo e um popular. Com eles ainda estavam algumas mulheres que foram detidas e estão prestando depoimento para saber o nível de envolvimento.

De acordo com o titular da Delegacia Territorial de Entorpecentes da Região Metropolitana (DTE/RMS), Alexandre Galvão, a investigação durou 18 meses. “A prisão de um dos envolvidos há um ano e meio acabou revelando o esquema de venda através de uma loja on-line pelo Instagram apenas para pessoas que eram indicadas pelas outras e a entrega era realizada pelos Correios, em caso de outras cidades e estados. Logo depois, um outro fornecedor do grupo, também universitário foi preso com uma quantidade relevante de drogas e novas evidências foram recolhidas”, explicou.

Galvão ressaltou que essas drogas sintéticas são caras, um comprimido gira em torno de R$ 35 a R$ 90 e em festas os valores sobem mais. “Uma festa rave de alto padrão dura mais de 24 horas e estima-se que 600 comprimidos são vendidos, inicialmente com preço mais razoável e no ápice da festa chega à custa R$ 100,00, logo durante cada evento mais de R$ 6.000,00 é garantido”.

O titular afirma ainda que a popularidade dessas drogas entre os jovens inibe o real perigo que oferecem a saúde. “Nem quem compra ou vende sabe o que tem ali em cada comprimido que pode fazer mal à saúde, inclusive, levar a morte”.

O grupo que comercializava comprava do exterior ou do sul do país, Galvão cravou que na Bahia não há histórico de produção de sintéticos.