Início Brasil Homem que ateou fogo e matou índio em Brasília ganha cargo na...

Homem que ateou fogo e matou índio em Brasília ganha cargo na Polícia Rodoviária Federal

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE
Foto: Reprodução/RedesSociais

Um dos condenados pela morte do índio Galdino Jesus dos Santos foi promovido pelo governo federal e assumiu um cargo comissionado na Polícia Rodoviária Federal (PRF), onde é servidor concursado.

Gutemberg Nader de Almeida Júnior é um dos cinco jovens que queimaram vivo o indígena pataxó em Brasília, em abril de 1997.

De acordo com o Estadão, Júnior foi nomeado em janeiro de 2020 para o cargo de chefia da Divisão de Testes, Qualidade e Implantação da PRF. A informação consta no Diário Oficial da União e ao longo de 11 meses, o agente recebeu gratificação no valor de R$ 2.064,00.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Índio Galdino foi assassinado enquanto dormia em um ponto de ônibus na capital federal. Os cinco jovens de classe média condenados pelo crime disseram que queriam “dar um susto” e fazer uma “brincadeira”.

Antes de ser aprovado na PRF, Júnior chegou a passar em um concurso da Polícia Civil do Distrito Federal, mas foi impedido de tomar posse na etapa de sindicância de vida pregressa e investigação social do concurso.

Após o crime, Júnior cumpriu medida socioeducativa de liberdade assistida, pois era menor de idade na época.

Com informações do Bahia.Ba