Início Destaque Holanda confirma 13 casos da ômicron; lista de países infectados aumenta

Holanda confirma 13 casos da ômicron; lista de países infectados aumenta

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE
Foto: AFP

Após anunciar que 61 pessoas vindas da África do Sul, na sexta-feira, 26, haviam testado positivo para a Covid-19, a Holanda confirmou neste domingo, 28, que 13 são portadores da variante ômicron. Ainda há possibilidade do número aumentar devido a quantidade de casos positivos.

A nova variante também foi detectada na Austrália e sua presença fez com que Israel fechasse suas fronteiras aos cidadãos estrangeiros.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Com mais de cinco milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia em 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou a nova variante, detectada essa semana, como “preocupante”.

Identificada na África do Sul na última quinta-feira, 25, muitos países reagiram fechando suas fronteiras com as nações do sul da África.

Israel, onde foi confirmado um caso de um viajante procedente do Malawi, decidiu proibir a partir deste domingo, 28, a entrada de estrangeiros no país, assim como obrigar seus cidadãos vacinados que voltaram de viagem a realizar um teste PCR e a fazer uma quarentena de três dias (sete no caso dos não vacinados).

Essa decisão chega a menos de um mês da reabertura das fronteiras do país (em 1º de novembro) e a oito dias da jesta judaica do Hanukkah.

Na Dinamarca, as autoridades de saúde também anunciaram neste domingo dois casos de infectados com a nova cepa em passageiros procedentes da África do Sul.

Na Austrália, as autoridades anunciaram hoje a detecção da cepa omicron em dois passageiros vacinados que voltavam do sul da África e chegaram a Sydney no mesmo dia do fechamento das fronteiras deste país com nove países do sul do continente africano. Doze passageiros do mesmo voo estão em quarentena.

A Austrália levantou recentemente a proibição de seus cidadãos vacinados para viajar ao exterior sem autorização.

A variante omicron também foi detectada em Botsuana, Hong Kong e vários países europeus (Bélgica, Reino Unido, Alemanha, Itália e República Tcheca).

– Novas restrições –

A nova variante B.1.1.529 da covid-19, nomeada “omicron”, representa um risco “de alto a muito alto” para a Europa, segundo a Agência de Saúde da União Europeia.

Um grupo de especialistas da OMS afirma que, com os dados preliminares, a omicron apresenta “um risco alto de reinfecção”, maior que o de variantes como a delta. Nenhuma outra variante gerou tanta preocupação no mundo desde a delta.

A Europa já enfrentava um aumento de casos muito antes do surgimento da omicron, o que a levou a restabelecer restrições sanitárias, provocando manifestações violentas no último fim de semana na Holanda e nas Antilhas francesas.

Na Áustria, dezenas de milhares de pessoas se manifestaram neste fim de semana contra a obrigação de se vacinarem.

Os suíços votaram neste domingo a lei que permite instaurar o passaporte de covid no país, em plena quinta onda da pandemia e após uma tensa campanha eleitoral.

Novas restrições entrarão em vigor na terça-feira no Reino Unido, como o retorno do uso de máscaras e o endurecimento do acesso ao país.

Outros países estão anunciando a suspensão de voos de países do sul da África onde a variante está presente, como África do Sul, Moçambique, Essuatíni (ou Sualizândia), Angola, Zâmbia, Malawi, Lesoto, Zimbábue, Namíbia e Botsuana.

Angola, na lista vermelha do Reino Unido, se tornou neste domingo o primeiro país do sul da África a suspender seus voos na região.

Filipinas, por sua vez, anunciou o cancelamento de voos de áreas onde a variante tenha sido detectada.

A Arábia Saudita estendeu a lista de países com os quais suspende voos para 14. Kuwait e Catar (importante centro de conexão aérea) também anunciaram restrições com nove e cinco países africanos, respectivamente.

Uma médica sul-africana, que atendeu quase trinta pacientes com covid-19 infectados pela nova variante omicron, afirma que eles apresentam apenas “sintomas leves” e que por enquanto estão passando seu período de recuperação sem necessidade de hospitalização.

– “Transparência” –

Nos Estados Unidos, que também abriram suas fronteiras ao mundo no início de novembro, está proibida a chegada de viajantes de oitos países do sul da África.

No sábado, Washington elogiou a África do Sul pela “transparência ao compartilhar essas informações” depois que o país se sentiu “castigado” por ter anunciado a detecção da “omicron”. Uma alusão nada velada dos EUA à gestão inicial da pandemia feita pela China.

Os fabricantes de vacinas AstraZeneca, Pfizer/BioNTech, Moderna e Novavax se mostraram confiantes em sua capacidade de combater essa nova cepa.

Cerca de 54% da população mundial recebeu ao menos uma dose da vacina contra a covid-19; apenas 5,6% nos países de baixa renda, segundo a página Our World in Data. Na África do Sul, apenas 23,8% da população tem o esquema vacinal completo.

A nova variante gerou preocupação quanto à recuperação econômica mundial. Sexta-feira foi um dia sombrio para os índices de ações na Bolsa e o preço do petróleo.

Com informações do jornal A tarde