Início Destaque História de vida do Baiano Isaquias Queiroz, ouro na canoagem das Olimpíadas

História de vida do Baiano Isaquias Queiroz, ouro na canoagem das Olimpíadas

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

Mais um brasileiro, nascido no Nordeste, conquistou medalha nas Olimpíadas de Tóquio 2021. O baiano Isaquias Queiroz, de 27 anos de idade, foi ouro da categoria C1 1000m da canoagem, realizada no começo da madrugada de hoje, sábado, 7 de agosto (07/08).

Esperança de subir ao pódio desde antes do início dos Jogos no Japão, o atleta pode ser considerado não só por causa daquilo que faz dentro da água, mas por toda sua história de vida. Ainda na infância, seus pais receberam a notícia de que ele iria morrer aos três anos. Também chegou a ser raptado e, após cair de uma árvore, chegou a perder um rim.

Todas essas atribulações foram superadas por ele que soma no currículo conquistas como outras três medalhas olímpicas (duas pratas e um bronze), alcançadas no Rio de Janeiro em 2016, além de ser o atual campeão mundial.

Já em Tóquio 2020, ele ficou na quarta posição na categoria G2 1.000 metros, ao fazer dupla com o também baiano Jacky Godmann. Após esse “quase” pódio, Isaquias fez uma promessa: iria ganhar o ouro na categoria C1 1000m. Dito e feito.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Logo após a prova, ele conversou com equipe de reportagem de TV Globo, para quem afirmou:

“Prometi e fui atrás. Feliz por dar essa medalha de ouro para vocês do Brasil. Era só um menino brincando com os amigos e hoje sou campeão olímpico. Eu quis e vim atrás”

Durante toda a disputa, o baiano fez questão de dedicar seus esforços à memória do treinador Jesus Morlán, considerado um pai pelo próprio Isaquias. Espanhol, Jesus morreu em 2018, vítima de uma câncer no cérebro.

“Jesus foi um cara que mudou a a trajetória da canoagem do Brasil. Um cara que merece todo elogio por todas as conquistas que teve e pelo que estava fazendo mesmo com o tratamento do câncer. Para mim, é uma honra poder remar aqui e tentar mostrar para o Brasil que o trabalho dele segue, que podemos mostrar à família dele que levamos o nome do Jesus mesmo ele não estando mais fisicamente aqui”, afirmou Isaquias logo após sua classificação para esta final.