Início Camaçari Grávida de 30 anos é baleada e morta pelo marido em Camaçari

Grávida de 30 anos é baleada e morta pelo marido em Camaçari

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE
Foto: Reprodução/Redes sociais

Mais uma mulher é vítima de feminicídio na Bahia. Tamires Alcântara da Silva foi morta pelo marido com um tiro, na manhã deste domingo (27), no distrito de Barra de Pojuca, em Camaçari, cidade da Região Metropolitana de Salvador (RMS). Ela era mãe, tinha 30 anos e estava grávida do assassino, que foi detido e conduzido à 27ª Delegacia.

Segundo a Polícia Civil, o crime aconteceu na Rua Filogônio de Oliveira. O suspeito de efetuar o tiro foi capturado na Pousada Pomar por policiais militares e apresentado no Plantão Metropolitano, com a arma, horas depois do crime. O corpo de Tamires encontrava-se no interior da residência, que fica em frente a uma lanchonete.

De acordo com informações da Polícia Militar da Bahia (PM-BA), junto com o suspeito foi apreendido um revólver calibre 38, com seis munições, sendo duas deflagradas.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

A área foi isolada e o Departamento de Polícia Técnica (DPT) acionado para fazer a perícia e remoção do corpo. Os policiais da 59ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) foram acionados pelo Cicom.

Um funcionário da Pousada Pomar, que não quis se identificar, disse que o marido de Tamires alugava uma garagem no local para guardar o carro. Assim que atirou na esposa, ele foi à pousada para pegar o veículo e fugir.

“Quando eu cheguei aqui, 7h30 da manhã, ele chegou e conversou comigo, dizendo que fez merda e matou a esposa, que era para a gente chamar a polícia. Ele mesmo quis se entregar”, relata.

Segundo ele, a polícia demorou cerca de duas a três horas para chegar. “Ele estava armado, correu para o fundo da pousada, e o pessoal ficou na frente do portão para não deixar ele sair. Tinha muita gente aqui e ficamos tentando acalmar o pessoal, porque queriam matar ele”, conta, supondo que poderia haver um linchamento.

Ainda de acordo com o funcionário, houve troca de tiros entre o marido de Tamires e moradores de Pojuca. Apesar de só conhecer de vista, ele diz que o rapaz era uma pessoa aparentemente tranquila.

Com informações do Correio da Bahia