Início Brasil Gata some por meses e tem ‘crise de ciúme’ ao voltar para...

Gata some por meses e tem ‘crise de ciúme’ ao voltar para casa e encontrar ‘substituta’

Por G1

Saura ficou sumida por cinco meses com uma doença grave (Foto: Arquivo Pessoal | Divulgação)

Depois de cinco meses desaparecida com uma doença grave, a gata de uma família de Sorocaba (SP) reapareceu repentinamente saudável. O que Saura, a gata sumida, não esperava é que outra gatinha tinha “tomado seu lugar”. A família Haiala se deparou com um caso de ciúme felino e tenta adequar a rotina de Saura e Greta, a nova membro da família.

Ana Beatriz Haiala conta que Saura, gata de estimação da família há 13 anos, pegou uma doença conhecida como “AIDS felina” e fugiu de casa.

“Em novembro de 2017 ela a resolveu se isolar. Estava debilitada, não conseguia nem andar, nem comer, nem miar. Até os dentes estavam caindo”, lembra.

A veterinária Larissa Nunes afirma que gatos e cachorros têm o hábito de se isolar quando sentem que seus últimos dias estão chegando. “Eles não querem que os donos sofram com sua partida”, afirma.

Ana Haiala e sua nova gata de estimação, Greta (Foto: Arquivo Pessoal | Divulgação)

Em janeiro deste ano, uma nova gatinha ganhou o coração da família. “Depois de tanto tempo que a Saura tinha desaparecido, nossos corações sentiram que estava na hora de seguir em frente e adotar outro ‘neném'”, afirma a analista comercial de 24 anos.

O que a família Haiala não esperava é que Saura, que tinha sumido há cinco meses, reapareceria mais saudável do que nunca. “Minha mãe acordou e ela estava na janela super gorda e saudável. Estava plena tomando sol na janela.”

Segundo Ana Beatriz, Saura não aceitou a chegada de Greta. “Ela não aceitou muito bem a ideia de que a gente seguiu em frente e adotamos a Greta.”, brinca.

Mudança na rotina

A veterinária Larissa Nunes disse que os felinos sentem qualquer mudança na rotina e no comportamento da casa e, por isso, alteram seu humor. “Qualquer mudança que tenha dentro do espaço do animal, vai refletir em seu comportamento”, afirma.

“Ela ficou olhando para a gente com um olhar muito bravo e começou a derrubar as coisas de propósito!”, afirma Ana.

Saura não quis entrar em casa e ficou ‘encarando’ a família que adotou uma nova gatinha em sua ausência (Foto: Arquivo Pessoal | Divulgação)

Larissa afirma que o que mais causa impacto nos bichinhos é a chegada de outro animal. “Estou tratando de um gatinho que era “filho único” e ficou depressivo depois da adoção de mais dois animais”, relata.

“Quando os felinos estão enciumados, arranham sofás, derrubam objetos de prateleiras de propósito, urinam fora da caixinha, se isolam e podem até parar de se alimentar”, afirma a veterinária Larissa Nunes

De acordo com a família, Saura derrubou vasos ‘de propósito’ (Foto: Arquivo Pessoal | Divulgação)

A dica que a veterinária dá é que quando um novo animal chega em uma casa, os donos devem ficar atentos ao comportamento e à atenção dada. “Se os bichinhos mais velhos perceberem que estão recebendo menos atenção que o novo integrante, ele pode ficar com ciúmes e mudar o comportamento”, afirma.

Apesar de toda a história de ciúmes entre Greta e Saura, Ana chegou a uma conclusão. “Se tiver uma guerra nuclear, só sobram as baratas e, claro, a Saura!”, brinca.

AIDS Felina

A Imunodeficiência Felina, que é conhecida como “AIDS Felina” e que atingiu a Saura, faz com que o gato fique com a imunidade muito baixa.

“O vírus é transmitido pela saliva do animal portador da ‘FIV’ para o animal sadio através de lambidas em feridas e arranhaduras”, afirma a veterinária.

Saura sofreu de aids felina por meses e fugiu de casa para ‘se recuperar’ (Foto: Arquivo Pessoal | Divulgação)

Sono profundo, pouco apetite, febre e feridas na boca e garganta podem indicar a doença. Segundo a veterinária, donos de animais que tem acesso à rua com facilidade, devem ficar atentos “Aquele animal que sai de manhã e volta só à noite precisa fazer o exame”, diz.

O vírus é conhecido como “AIDS felina” pois debilita o animal de forma parecida ao humano. “O sistema imunológico fica baixo e doenças secundárias se aproveitam disso. É importante ficar atento”, conclui.