Início Brasil Gasolina sobe pela quinta semana seguida e chega a R$ 7,99, diz...

Gasolina sobe pela quinta semana seguida e chega a R$ 7,99, diz ANP

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

Os preços da gasolina, do diesel e do gás de botijão voltaram a subir na última semana, de acordo com o levantamento da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O preço do litro médio da gasolina passou de R$ 6,562 há duas semanas para R$ 6,710 na última semana. É uma alta de 2,25%. É a quinta semana seguida de alta. No ano, o valor da gasolina acumula avanço de 49,6%. Na máxima, segundo a ANP, o litro da gasolina já é vendido a R$ 7,99 – caso do Rio Grande do Sul.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Leia mais:
– Bolsonaro revela novo aumento no preço dos combustíveis em 20 dias e fala em ‘jogo pesado’ com Petrobras

Depois do Rio Grande do Sul, o litro da gasolina no Rio de Janeiro pode ser encontrado a R$ 7,749. Em seguida, estão Minas Gerais (R$ 7,599), Distrito Federal (R$ 7,499) e Pernambuco (R$ 7,439) com as maiores máximas.

No diesel, nas duas últimas semanas o preço do litro médio no Brasil subiu 2,45%, de R$ 5,211 para R$ 5,339. Foi a sexta semana seguida de avanço nos preços. Desde janeiro, acumula alta de 48,05% .

No gás de botijão (GLP), o preço passou de R$ 102,04 para R$102,48, um aumento de 0,43%. É uma alta acumulado desde o início do ano de 37%.

Na segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer que nem ele nem seu governo tem culpa pelo aumento dos combustíveis no país. Bolsonaro voltou também a fazer críticas à Petrobras e atacou o montante dos dividendos distribuídos para os acionistas da empresa. O presidente afirmou que o preço alto do combustível ocorre em todo o mundo, mas que no Brasil “pode ser menor”.

Fonte: O Globo*