Início Cinema Filme de ‘Eduardo e Mônica’ mostra relação conflituosa e Mônica ‘livre’

Filme de ‘Eduardo e Mônica’ mostra relação conflituosa e Mônica ‘livre’

Alice Braga e Gabriel Leone vivem casal em adaptação do clássico da Legião Urbana

‘Eduardo e Mônica’, filme de René Sampaio Foto: Mariana Vianna / Divulgação

Renato Russo relatou as vidas de Eduardo e Mônica com bem menos detalhes do que a de João de Santo Cristo. Se a letra de “Faroeste caboclo” serviu de sólido guia narrativo para o filme homônimo de 2013, o desafio foi maior em “Eduardo e Mônica”. Foi preciso dar contexto ao relacionamento do casal que um dia se encontrou sem querer em uma festa estranha, com gente esquisita, e construiu uma casa quando os gêmeos vieram.

As filmagens terminaram mês passado, no Rio, e o longa que entra em cartaz no segundo semestre de 2019 passa longe da densidade do faroeste protagonizado por Fabrício Boliveira e Isis Valverde. O diretor René Sampaio, em sua segunda adaptação para o cinema de canções da Legião Urbana, diz que desta vez quis fazer um mix de drama e comédia, ou, como prefere, uma “dramédia solar”.

— É um filme sobre amor, mas não quero colocar um rótulo específico nele — diz Sampaio, no set, em um casarão no Alto da Boa Vista.

Gabriel Leone é Eduardo. Alice Braga, a Mônica do cinema. E a ordem do título não se traduziu em desigualdade de protagonismo entre os gêneros. O roteiro, nas mãos de Matheus Souza, o jovem diretor responsável pelos divertidos “Apenas o fim” (2006), “Tamo junto” (2012) e “Ana e Vitória” (2018), recebeu tratamento final de três mulheres — Claudia Souto, Jessica Candal e Michele Franzt. A ideia era inserir no texto sensibilidade feminina (o de “Faroeste caboclo”, em contrapartida, foi assinado por três roteiristas homens).

— Construímos a Mônica como uma mulher livre — diz a produtora do filme, Bianca De Felippes.

*Com Informações O Globo