Início Saúde Fake news sobre coronavírus propõem até troca de álcool por vinagre

Fake news sobre coronavírus propõem até troca de álcool por vinagre

Fake news sobre coronavírus propõem até troca de álcool por vinagre 1
Vídeo de ‘químico autodidata’ e boato sobre gargarejo estão entre as mentiras disseminadas sobre o surto ./Reprodução

Desde que o novo coronavírus começou a se espalhar pelo mundo e o primeiro caso foi confirmado no Brasil na semana passada, as fake news sobre o assunto também se multiplicaram. De acordo com o Ministério da Saúde, de 6.500 mensagens recebidas pelo canal de combate às fake news do órgão entre 22 e 27 de janeiro, 90% eram relacionadas ao novo coronavírus e 85% eram falsas.

As mentiras variam desde a origem do vírus até supostas curas e formas mirabolantes de prevenção. Abaixo, especialistas esclarecem as principais lorotas pseudocientíficas espalhadas sobre a doença nas redes sociais até agora. Matéria extraída do VEJA*

1- Diagnóstico caseiro: circula pelas redes uma “dica” de diagnóstico caseiro. De acordo com a publicação, se você respirar fundo, prender a respiração por mais de 10 segundos e após fazer isso não tossir, sentir desconforto ou congestão, você não está infectado. E, não para por aí. A “notícia” ainda diz que esse é um método desenvolvido por especialistas de Taiwan e que a doença causada pelo novo coronavírus provoca fibrose nos pulmões.

“Essa história é completamente fake news”, diz o infectologista Helio Bacha, o Hospital Albert Einstein. “O autodiagnóstico em qualquer situação está errado. Mas essa é ainda pior porque a orientação não tem o menor embasamento. A Covid-19 [doença respiratória causada pelo novo coronavírus], é muito semelhante a um resfriado comum e não tem como distinguir ou dizer o causador por um exame clínico. O diagnóstico só é feito por um exame caro e sofisticado”, explica o especialista.

Em relação à formação de fibrose no pulmão, o pneumologista Elie Fiss, pesquisador sênior do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, esclarece que a fibrose pulmonar é uma doença inflamatória grave, sem causa definida. “Essa doença tem uma evolução até ser diagnosticada. Não aparece de uma hora para outra e não tem relação com nenhum tipo de infecção viral”, afirma.

2- Beber ou fazer gargarejo com água quente limpa o vírus da sua garganta: Outra notícia falsa que circulou bastante nos últimos dias é a recomendação de beber água quente ou fazer gargarejo com água quente para limpar o vírus da garganta ou elimina-lo do organismo. A suposta explicação por trás da prática é que o vírus não sobreviveria acima de 26ºC ou 27ºC.

“Fazer gargarejo com água quente no máximo provoca ânsia”, afirma o pneumologista Elie Fiss. Uma das respostas do nosso corpo a uma infecção viral, como a causada pelo Sars-CoV-2, é a febre. Ela é produzida pelo organismo para tentar matar o agente infeccioso e eleva a temperatura do corpo, que normalmente é de 36ºC a 37ºC, para 38ºC e 39ºC. E, mesmo assim, não elimina o vírus. Logo, se essa teoria fosse verdadeira, o coronavírus nem sobreviveria dentro do nosso corpo, que já tem uma temperatura normal superior a 27ºC.

“Para começar, se isso fosse verdade, não teria coronavírus na China. Os chineses têm o hábito de tomar água quente de manhã e também bebem muito chá. Além disso, o vírus não está na superfície da garganta. Ele está no interior da célula. Fazer algo que tenha uma ação apenas superficial, não resolve em nada”, explica o infectologista Helio Bacha.

3- Álcool gel não tem eficácia na prevenção, vinagre sim: Um vídeo publicado recentemente traz um “químico autodidata” dizendo que álcool gel não mata vírus nem bactérias, mas vinagre Ý sim, aquele usado para temperar salada – é eficaz. O burburinho foi tão grande que o Conselho Federal de Química (CFQ) publicou uma nota esclarecendo a eficácia do álcool gel para higienizar as mãos.

“O vírus é um organismo unicelular protegido por uma parede lipoproteica. O álcool consegue destruir essa parede, o que causa a morte do vírus. Por isso, o álcool gel é uma estratégia utilizada com eficácia em hospitais”, afirma o pneumologista Elie Fiss.

“Vinagre é bom na salada. Não tem o menor indício científico da eficácia do vinagre como antisséptico”, diz o infectologista Helio Bacha. Os dois especialistas ressaltam a importância de lavar bem as mãos com água e sabão como a estratégia mais barata de higienização e prevenção dessa e de outras infecções respiratórias. De qualquer forma, se você não puder lavar as mãos após entrar em contato com outra pessoa ou sair do trem, metrô ou ônibus, use e abuse do álcool gel.

4- Chá de erva-doce cura o coronavírus: Outra lorota afirma que o chá de erva-doce é um tratamento contra o coronavírus, pois a planta teria a mesma substância que o Tamiflu (medicamento utilizado para tratar influenza). “Nunca ouvi falar que chá de erva doce cura alguma coisa. Muito menos que tenha Tamiflu nele”, diz o especialista do Hospital Albert Einstein.

Além disso, o Tamiflu é um medicamento específico para o influenza e não funciona para o coronavírus. “O Tamiflu bloqueia uma das proteínas do vírus influenza e não serve contra outros vírus. Além disso, ele não foi sintetizado a partir da erva-doce”, esclarece o pesquisador sênior do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

5 – Chá de abacate com hortelã ou vitamina D previnem o coronavírus: A única forma de prevenir a infecção pelo novo coronavírus ou por qualquer vírus causador de doenças respiratórias, segundo os especialistas, é pela higiene constante das mãos com água, sabão e álcool gel, etiqueta respiratória (não tossir ou espirrar em cima de outras pessoas e proteger a boca e nariz ai fazer isso), evitar contato com pessoas com síndromes febris respiratórias e evitar aglomerações, se possível.

“Nenhuma vitamina tem valor terapêutico nessas infecções”, diz o infectologista Helio Bacha. Nem a vitamina C, cujo consumo é frequentemente associado à prevenção de gripes e resfriados. “Abacate em excesso engorda e hortelã é gostoso, mas o consumo desses alimentos, juntos ou separados, não tem efeito contra o coronavírus. Vale lembrar que a vitamina D previne osteoporose, apenas.”, ressalta o pneumologista Elie Fiss.

6 – O vírus é resistente em superfícies metálicas, onde pode se manter vivo por 12 horas: Os especialistas afirmam que até o momento, não há um consenso científico sobre quantas horas o vírus sobrevive fora de um ser humano. Além disso, o material da superfície – metálica, madeira, plástico – não tem influencia sobre o tempo de sobrevida.

“Como qualquer vírus, vai ter um tempo que o coronavírus sobrevive fora de um ser vivo, mas se a superfície for limpa adequadamente, não há risco de contaminação”, diz o pesquisador do Hospital Oswaldo Cruz. Mais um motivo para lavar bem as mãos, usar álcool gel e manter superfícies limpas.

7 – Há medicamentos específicos eficazes contra o novo coronavírus: Diversos tratamentos contra o novo coronavírus estão em fase de estudo clínico, mas até o momento, não há nenhum com eficácia comprovada. Mas isso não significa que deve haver pânico. O pneumologista Elie Fiss ressalta que a maior parte dos casos de infecção por coronavírus são leves ou moderados. “É como um resfriado. Hidratação e repouso já são suficientes para passar pela doença”, afirma o especialista.