Início Camaçari Extração ilegal de recursos naturais causa danos aos moradores do condomínio Villa...

Extração ilegal de recursos naturais causa danos aos moradores do condomínio Villa Bella

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

Uma extração ilegal de arenoso, realizada em um morro localizado nas imediações da LIMPEC é denunciada por moradora do Condomínio Villa Bella, em Camaçari. De acordo com a cidadã, que prefere não se identificar, os recursos naturais não renováveis estão sendo retirados de forma ilegal, o que tem ocasionado danos, também, para os moradores da região, por conta da poeira gerada pela atividade. Vale ressaltar que a ação é de caráter altamente impactante e não sustentável, além de prejudicial à comunidade.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

“Estamos precisando limpar os móveis da casa duas vezes ao dia, e mesmo assim muitos moradores estão apresentando crises de alergias respiratórias. Essa já é a segunda limpeza dos móveis que fiz hoje, mesmo com a casa fechada”, declara moradora, que também informa já ter realizado denúncia na Prefeitura Municipal de Camaçari.

A Revista Nossa Metrópole, também tentou contato com a SEDUR (Secretaria de Desenvolvimento Urbano) sobre o ocorrido, mas ainda não obtivemos resposta.
Elevadamente capaz de devastar a vegetação local e ocasionar diversas alterações ambientais, como o aumento exacerbado da quantidade de mosquitos nas residências próximas, a remoção indevida desse recurso pode ainda resultar na compactação e desgaste vertiginoso do solo. Somadas, as mesmas podem dar origem também a alterações climáticas na região.

A extração de areia é tida como criminosa a partir do artigo 55 da Lei 9.605/98, e do artigo 2º da Lei 8.176/91. Respectivamente, um prevê pena de seis meses a um ano para aquele que, sem a devida licença, utiliza recursos minerais e o outro estabelece pena de um a cinco anos de detenção e configura o ato como crime de usurpação de bem pertencente à União.

Com informações Nossa Metrópole