Início Camaçari Ex-funcionários acampam há mais de 15 dias em frente a empresa satélite...

Ex-funcionários acampam há mais de 15 dias em frente a empresa satélite da Ford

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE
(Foto: Reprodução)

Há mais de 15 dias, ex-funcionários de algumas empresas que prestavam serviço para a Ford, estão acampando na frente da Magna Cosma, para protestar. De acordo com os trabalhadores, eles foram demitidos e nenhuma indenização foi paga até agora. Os ex-funcionários também reclamam que a empresa contratou trabalhadores de outros estados.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

“Ao invés de recontratar os trabalhadores demitidos, preferiram trazer trabalhadores do Sul e de São Paulo para não ter que pagar a indenização a qual temos todo o direito. Nós somos responsabilidade da Ford sim, e temos direitos. Precisamos do apoio da Justiça do Trabalho, fiscalização da prefeitura de Camaçari e da imprensa, para que nosso pedido de socorro seja ouvido”, afirmou uma trabalhadora que também foi demitida.

Participam da manifestação ex-funcionários das empresas Sodecia, Atenico, Magna Cosma, Magna CIty e Sian. O movimento está recebendo o apoio do Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari, que afirma ter movido uma ação judicial contra as demissões dos antigos funcionários e a contratação de colaboradores de fora da Bahia.

Em 11 de janeiro deste ano, a Ford anunciou o fechamento das fábricas no Brasil, causando a demissão de centenas de trabalhadores. Um acordo foi firmado entre a montadora e o Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari no mês de fevereiro, definindo o retorno de aproximadamente 700 funcionários para a produção de peças de reposição. O acordo tem duração de 90 dias.

Com informações do CN1