Início Brasil Escolas, caminhão, estação da Enel e ônibus são incendiados no 20º dia...

Escolas, caminhão, estação da Enel e ônibus são incendiados no 20º dia de ataques no Ceará

Ocorreram 225 ações criminosas em 48 cidades cearenses desde o dia 2 de janeiro. Secretaria da Segurança confirmou que 403 pessoas foram detidas por participação nos crimes.

Os ataques criminosos voltaram a aumentar no Ceará no 20º dia de ações contínuas de criminosos. Entre a noite de domingo (20) e a madrugada desta segunda-feira (21), foram registradas pelo menos cinco ocorrências. Duas escolas públicas foram incendiadas em Itarema, no Litoral Oeste do estado. Um ônibus escolar também foi queimado no mesmo município. Ainda na madrugada, bandidos tocaram fogo num caminhão de lixo na cidade de Jaguaruana, no Vale do Jaguaribe. Na noite de domingo (20), um ônibus também foi destruído no Bairro Mondubim, em Fortaleza. Não há registro de pessoas feridas nesses ataques.

Em São Benedito, seis criminosos atearam fogo e lançaram um coquetel molotov em uma subestação da Enel, distribuidora de energia no Ceará. Conforme a empresa, no local destruído do incêndio funcionava apenas um escritório, e a cidade não foi prejudicada por falta de energia.

Criminosos destruíram subestação da Enel em São Benedito, no interior do Ceará — Foto: Arquivo pessoal

Desde o dia 2 de janeiro, quando começaram as ações criminosas, ocorreram 225 ataques contra ônibus, carros, prédios públicos, prefeituras e comércios em 48 dos 184 municípios cearenses. As ações começaram em Fortaleza e se espalharam para a Região Metropolitana e diversas cidades do interior. A Secretaria da Segurança Pública do Ceará confirmou que 403 pessoas já foram detidas por envolvimento nas ações criminosas.

Para tentar conter os ataques, o governo estadual convocou 1.200 policiais militares da reserva para reforçar a segurança nas ruas. O Ministério da Justiça enviou agentes da Força Nacional e reforço da Polícia Rodoviária Federal para o estado. Policiais militares e agentes penitenciários de outros estados brasileiros também foram deslocados ao Ceará após o início dos crimes.

Em Itarema, o Liceu José Maria Monteiro, na localidade de Almofala, sofreu um princípio de incêndio quando um grupo colocou fogo em uma sala de aula e na cozinha do estabelecimento, segundo a prefeitura da cidade. Contudo, as chamas foram controladas pelo vigilante da unidade escolar.

Perto dali, na localidade de Panam, também houve a tentativa de incêndio a um ônibus escolar que presta serviço para a prefeitura. O motorista do veículo conseguiu apagar as chamas.

Ainda em Itarema, a escola Geralda Bonifácio Rodrigues, na localidade de Saquim, teve vários espaços danificados pelos criminosos, segundo a prefeitura da cidade. O fogo destruiu livros, eletrodomésticos, cadeiras e mesas. Equipes da Polícia Militar realizaram buscas na região com objetivo de prender os suspeitos. Até a manhã desta segunda, ninguém havia sido preso.

Em Jaguaruana, o caminhão de lixo foi queimado por volta de 1h deste domingo, no Bairro Juazeiro. Segundo a Polícia Militar, o veículo estava estacionado em frente a uma oficina, quando criminosos jogaram combustível e atearam fogo. O veículo ficou completamente destruído.

Caminhão de lixo fica destruído após ser incendiado em Jaguaruna, no Vale do Jaguaribe, no Ceará — Foto: Reprodução/SVM

Já no domingo, um ônibus do transporte coletivo foi atacado por bandidos no Bairro Mondubim, na capital. Eles incendiaram parte do ônibus, mas o Corpo de Bombeiros conseguiu impedir que o fogo se alastrasse por todo o veículo.

Durante a tarde de domingo, dois homens armados, em duas motos, tentaram atear fogo em uma van do transporte alternativo no Bairro Jangurussu, em Fortaleza. O veículo teve algumas peças danificadas, mas o fogo não atingiu toda a van.

Entenda o que está acontecendo no Ceará

O governo criou a secretaria de Administração Penitenciária e iniciou uma série de ações para combater o crime dentro dos presídios. O novo secretário, Mauro Albuquerque, coordenou a apreensão de celulares, drogas e armas em celas. Também disse que não reconhecia facções e que o estado iria parar de dividir presos conforme a filiação a grupos criminosos.
Criminosos começaram a atacar ônibus e prédios públicos e privados. As ações começaram na Região Metropolitana e se espalharam pelo interior.
O governo pediu apoio da Força Nacional. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou o envio de tropas; 406 agentes da Força Nacional reforçam a segurança no estado.
A população de Fortaleza e da Região Metropolitana sofre com interrupções no transporte público, com a falta de coleta de lixo e com o fechamento do comércio.
A onda de violência afastou turistas e fez a ocupação hoteleira no estado cair.
35 membros de facções criminosas foram transferidos do Ceará para presídios federais desde o início dos ataques, segundo o último balanço do Ministério da Justiça.

Ordens partiram de presídios
Áudios compartilhados entre membros de facções do Ceará revelaram que as ordens para as ações criminosas partiram de presidiários. As mensagens chegaram até as autoridades após a apreensão de 407 aparelhos de celulares nas unidades prisionais do estado, no dia 6 de janeiro.

Em uma mensagem, um detento ordena: “Uns toca fogo na prefeitura, uns toca fogo nas coisa lá dos policial, tá ligado?”. O Palácio Municipal da Prefeitura de Maracanaú, na Grande Fortaleza, foi um dos 49 prédios públicos atacados no Ceará. “Agora a bagunça vai começar é com força”, diz outra mensagem de áudio. “Agora nós vamos parar os ônibus, vamos tocar fogo com vocês dentro”, ameaça um terceiro detento.

Em outro áudio, um detento diz que a sequência de crimes é uma tentativa de fazer com que o secretário da Administração Penitenciária desista de medidas que tornaram mais rigorosa a fiscalização no sistema penitenciário. “Vocês vão tirar esse secretário aí dos presídios. Vocês vão ver, vai piorar é pra vocês”, ameaça um criminoso.

O secretário da Segurança Pública do Ceará, André Costa, confirmou que a nomeação do novo secretário de Administração Penitenciária provocou a onda de ataques criminosos. Segundo André Costa, “a criminalidade já conhecia o trabalho” do novo gestor da pasta que administra os presídios do Ceará.

‘Terrorismo’
Em entrevista à GloboNews, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), classificou as ações criminosas registradas como “atos de terrorismo”. Santana defendeu que o Congresso Nacional revisse a lei antiterrorismo para tipificar ataques como os que ocorrem no Ceará.

Camilo Santana também confirmou o fechamento de 67 cadeias municipais no interior do Ceará nos últimos dias. A medida foi uma decisão do novo secretário da Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, segundo o governador.

“Eram cadeias precárias, concentrei na Região Metropolitana para ter mais controle sobre esses presos. Isso foi uma decisão do próprio secretário [da Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque]. Tenho tido todo o apoio do poder Judiciário”, afirmou.

Por G1 CE