Início Brasil Em live, Bolsonaro diz que vai entrar com ações contra estados por...

Em live, Bolsonaro diz que vai entrar com ações contra estados por conta de preço de combustíveis

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, na noite desta quinta-feira (10/2), que o governo deve entrar com ações judiciais contra estados devido à taxação de impostos cobrados em cima dos combustíveis, como o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

A declaração foi feita pelo chefe do Executivo durante a realização de sua live semanal, nas redes sociais. “Hoje (ontem) entrei em contato com o Ministério da Justiça para que a nossa Secom, que está atrasada no tocante a isso, comece a entrar com ações contra estado”, ressaltou.

De acordo com o UOL, em janeiro, o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), formado pelos secretários da Fazenda de todos os estados e do Distrito Federal, aprovou por unanimidade o congelamento do ICMS sobre os combustíveis até 31 de março de 2022.

Eles votaram para fixar o PMPF (Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final), que é a base para calcular o imposto. Esse valor é definido a partir de uma pesquisa de preços praticados nos postos a cada 15 dias. Por isso, quanto mais alto o combustível na bomba, maior o valor cobrado pelos estados.

A medida já estava em vigor desde novembro do ano passado, e tinha como prazo final o último dia de janeiro. Com a decisão dos secretários, o congelamento vale por mais 60 dias. Mesmo com o ICMS congelado desde novembro, o impacto no preço dos combustíveis, no entanto, não foi significativo.

De acordo com a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o preço médio do litro gasolina nos postos em novembro era de R$ 6,744, recuando para R$ 6,67 em dezembro e para R$ 6,627 em janeiro – uma diferença de menos de 12 centavos ao longo de três meses.

O próprio governo Bolsonaro já zerou o valor de PIS e Cofins, tributos federais, cobrados sobre o diesel. Apesar de a redução do imposto ter sido de R$ 0,31, só R$ 0,03 chegaram aos postos, segundo dados da ANP.

O preço final dos combustíveis é composto pelo valor cobrado pela Petrobras nas refinarias (atrelado ao preço do barril do petróleo no mercado internacional e ao câmbio), mais tributos federais (PIS/Pasep, Cofins e Cide) e estaduais (ICMS), além das margens de distribuição e revenda e do custo do biodiesel, no caso do óleo diesel, e do etanol, na gasolina.

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Durante a live, Jair Bolsonaro disse também ter certeza de que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos combustíveis será aprovada por unanimidade no Congresso Nacional. Bolsonaro se referia ao texto apresentado pelo deputado federal Christino Áureo (PP-RJ), que autoriza o governo federal e Estados a desonerar o combustível sem apresentar uma contrapartida do lado da receita.

Com informações do Aratu ON