Início Bizarro Detenta trans engravida duas mulheres dentro de cela em presídio

Detenta trans engravida duas mulheres dentro de cela em presídio

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

O fato ocorrido em prisão de Nova Jersey, nos Estados Unidos, pode reacender este debate. No presídio estadual feminino Edna Mahan Correctional Facility, duas detentas engravidaram de uma presidiária trans.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

A informação consta em relatório prisional que foi divulgado nesta quinta-feira (14). O conceituado jornal New York Post deu detalhes do ocorrido. As detentas confinadas no presídio Edna Mahan mantiveram relações íntimas com a prisioneira transexual e engravidaram.

As identidades das três detentas envolvidas na situação que está repercutindo nos Estados Unidos não foram reveladas. O episódio está chamando a atenção e acendendo o debate sobre a presença de prisioneiras trans nas cadeias femininas nos Estados Unidos. Em Nova Jersey, há lei específica sobre a situação.

Lei de Nova Jersey mudou no ano passado
Nova Jersey permite mulheres trans e cis juntas em cadeias femininas desde o ano passado. As detentas do estado americano podem cumprir pena em locais que estejam de acordo com a identidade de gênero. Portanto, mulheres trans ficam detidas juntas com mulheres cis, no mesmo pavilhão ou mesma cela, sem problemas.

A mudança aconteceu depois que uma detenta trans processou o estado. Ela conta que viveu 18 anos detida em presídios masculinos. Devido ao ocorrido, houve mudança no procedimento. O presídio onde as duas detentas engravidaram conta 18 presidiárias trans. Para essas detentas, não é obrigatório realizar cirurgia de resignação sexual.

Via Mceará
Foto ilustrativa