Início Salvador ‘Defeito pontual de impressão’, diz Unifacs sobre prova suspeita; MP investiga

‘Defeito pontual de impressão’, diz Unifacs sobre prova suspeita; MP investiga

Universidade nega que questões negritadas eram as corretas

Candidatos reclamaram que alternativas corretas estavam sinalizadas em negrito (Foto: Leitor/CORREIO)

A Universidade Salvador (Unifacs) e a Consultoria em Projetos Educacionais e Concursos Ltda (Consultec) informaram, nesta terça-feira (28), que as provas do processo seletivo para Medicina, que acabou suspenso após suspeitas de fraude, tiveram erros por conta de um “defeito pontual de impressão”. De acordo com a Consultec, responsável pela realização da prova, alguns exemplares “receberam uma carga de tinta maior nas áreas de textos, negritando trechos das referidas provas”. A universidade negou que as alternativas negritadas eram as corretas.

As informações foram divulgadas em nota oficial, após uma reunião entre a Unifacs e a Consultec na tarde desta terça. De acordo com as entidades, foram aplicados quatro modelos de prova diferenciados, que geraram gabaritos distintos. “Nos poucos exemplares, cujo problema foi identificado, essa carga de tinta se concentrou nas áreas superiores e inferiores das páginas, em alguns casos, sobre as áreas de textos dos enunciados das questões, e, em outros sobre as alternativas das questões, sem qualquer vinculação à validade ou não da resposta”, diz o comunicado conjunto.

Após a reclamação de alunos sobre as questões terem sido negritadas e a divulgação na imprensa, a prova, que foi realizada neste domingo (26), foi cancelada pela universidade. “Como forma de garantir a equidade e isonomia do vestibular, a UNIFACS e a CONSULTEC decidiram pela reaplicação das provas para o dia 9 de dezembro, retomando a tranquilidade ao processo de seleção”.

Denúncia
Após identificar o problema na prova, um grupo de cinco estudantes entrou com uma denúncia no Ministério Público da Bahia (MP-BA). Eles reclamavam da falta de isonomia do concurso, por conta da falha, e pediam o cancelamento da prova. Após a ação da universidade, os alunos afirmaram que irão esperar a realização da prova para saber quais ações irão tomar.

“Demos entrada com o intuído de termos um processo seletivo onde o princípio da isonomia não fosse violado. Devemos esperar agora até a realização da nova prova para seguirmos ou não com o processo”, disse uma das cinco alunas, que preferiu não se identificar.”

Procurado pelo CORREIO, o MP-BA explicou que o processo está seguindo o rito normal de qualquer denúncia. “A representação (denúncia) é protocolada e enviada para o setor específico dentro do MP-BA. Lá, o centro avalia e distribui para um promotor, que receberá a matéria e irá avaliar se irá prosseguir com a denúncia, ouvir os envolvidos e se irá investigar”. A denúncia foi distribuída para o Centro de Apoio e Defesa ao Consumidor e ainda não foi distribuído para um promotor.

**
Confira nota da Unifacs na íntegra:

No último domingo, dia 26 de novembro, foram aplicadas as provas de Medicina da UNIFACS utilizando sistema de preparação de cadernos de provas com dados variáveis, gerando a produção de quatro modelos de prova diferenciados, cujos gabaritos também são distintos.

Após conclusão da apuração foi constatado que, durante a impressão dos cadernos de provas da UNIFACS, por um defeito pontual de impressão, alguns exemplares receberam uma carga de tinta maior nas áreas de textos, negritando trechos das referidas provas. Nos poucos exemplares, cujo problema foi identificado, essa carga de tinta se concentrou nas áreas superiores e inferiores das páginas, em alguns casos, sobre as áreas de textos dos enunciados das questões, e, em outros sobre as alternativas das questões, sem qualquer vinculação à validade ou não da resposta.

Como forma de garantir a equidade e isonomia do vestibular, a UNIFACS e a CONSULTEC decidiram pela reaplicação das provas para o dia 9 de dezembro, retomando a tranquilidade ao processo de seleção.

Brevemente serão emitidos os novos cartões de convocação de aplicação das provas. É importante salientar que a CONSULTEC, em mais de 25 anos de trabalho como organizadora de processos seletivos e vestibulares, em especial para a área de Medicina, sempre zelou pela credibilidade dos instrumentos que elabora e produz, mantendo a condição a transparência das seleções sob a sua responsabilidade.

Por Correio da Bahia