Início Brasil Conta de luz sobe mais que o dobro da inflação

Conta de luz sobe mais que o dobro da inflação

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

Com o orçamento doméstico cada vai mais compelido pelo elevado custo de vida, qualquer economia deve ser levada a sério. Um dos itens, por exemplo, que mais vêm pesando no bolso do consumidor é a conta de luz.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

De acordo com dados da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), nos últimos sete anos a energia elétrica residencial teve ajustes de mais que o dobro da inflação no país.

Entre 2015 e 2021, o aumento médio anual do serviço foi de 16,3%, enquanto o IPCA, índice oficial que mede a inflação, teve variação de 6,7% ao ano. Já no mercado livre, onde clientes negociam contratos livremente com as empresas de energia, os preços oscilaram 25% abaixo da inflação no mesmo período.

Até o momento, o livre comércio de energia no país é realidade apenas para clientes com consumo superior a um mil kW/mês. Eles são 35% dos consumidores no Brasil (85% são indústrias, grandes ou pequenas).

De acordo com o presidente executivo da Abraceel, Rodrigo Ferreira, na Europa o mercado livre é o único que existe. No Brasil, ele diz, distribuidores (como a Neoenergia Coelba) compram para distribuir.

Um modelo comercial esgotado, afirma Ferreira, culpa da legislação vigente. “O mercado livre é mais racional, eficiente. Distribuidores compram energia em leilão (indexado por 30 anos) e vendem. O setor certamente vai crescer ano após ano”.

Ainda de acordo com ele, uma das causas da alta foi a Medida Provisória 579 editada no governo Dilma Rousseff, que provocou um aumento de despesas de quase R$ 200 bilhões no setor, segundo cálculos da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), e transferiu para o consumidor o risco hidrológico.

Segundo Ferreira, falta vontade política para mudança do cenário. Porém, a boa notícia é que encerrou em 31 de janeiro o prazo para o Ministério de Minas e Energia receber os estudos com cronograma prevendo a abertura do mercado. A estimativa da Abraceel é que isso ocorra até 2026.

Enquanto isso não acontece, o administrador de empresas Marcelo Passos, 34, faz malabarismos, junto com a esposa, para tentar reduzir o valor de fatura, atualmente na faixa de R$ 286. Com um filho pequeno, morando em um apartamento de dois quartos, 71 metros quadrados (no Candeal de Brotas), ele conta que o único ar-condicionado da casa só é ligado “quando o calor não tem jeito”.

“É pesado porque quando soma a conta de energia, com mercado, transporte, algum pouco lazer, já foi todo o nosso orçamento”.

Como economizar

De acordo com a gerente de Eficiência Energética da Neoenergia Coelba (mais de seis milhões de consumidores), Ana Cristina Mascarenhas, especialmente no verão o ar-condicionado é mesmo o principal “vilão” do consumo de energia. Segundo ela, se o aparelho for de janela (dos mais antigos), o gasto é ainda maior.

Ainda segundo Ana, o modelo Split é o mais eficiente, principalmente se for do tipo “inverter” (que controla a temperatura automaticamente, sendo desligado ao atingir o patamar correto ).

“Ele é mais caro, porém, mais econômico ao longo da vida útil. Depois que atinge a temperatura, só a mantém. A economia chega a 60%. É mais silencioso e eficaz. Também é preciso ficar atento ao selo Procel (de eficiência energética dos equipamentos), e manter o termostato (temperatura) entre 23 e 24 graus celsius”.

De acordo com Ana, as principais dicas para redução do consumo / valor da conta de energia são manter em dia a limpeza dos aparelhos; portas, janelas, cortinas ou persianas fechadas; se sair do ambiente por mais de uma hora desligar o equipamento; inclusive tirar outros aparelhos da tomada.

Com relação ao chuveiro elétrico, manter a chave sempre na posição verão, senão desligado; dar preferência a aparelhos mais modernos, também com o selo Procel; reduzir o tempo do banho (em uma casa com quatro pessoas, cada minuto a de banho equivale a oito lâmpadas de LED de 9w acesas por cinco horas, 30 dias no mês, explica); entre outras mudanças de atitude.

Fonte: A Tarde