Início Bahia Consórcio Nordeste: Rui Costa deve ser indiciado na CPI do RN, revela...

Consórcio Nordeste: Rui Costa deve ser indiciado na CPI do RN, revela deputado

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE
Imagem: Reprodução

O governador Rui Costa deve ser indiciado na CPI da Covid-19 que foi instaurada na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Costa presidiu o Consórcio Nordeste durante a compra frustrada dos respiradores junto a empresa Hempcare. A aquisição, que não foi concluída, custou cerca R$ 48 milhões ao Consórcio Nordeste.

Em entrevista ao V Notícias, o deputado estadual baiano Capitão Alden – que acompanha a CPI de perto – revelou que o governador baiano deve ser responsabilizado após ser comprovado no relatório da CPI que do montante de R$ 48 milhões, R$ 24 milhões serviram ao pagamento de propinas. Além dele, o secretário-executivo do Consórcio Nordeste, Carlos Gabas e o ex-secretário da Casa Civil na Bahia, Bruno Dauster, devem integrar a lista de indiciamento.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

“A Hempcare foi criada especificamente para pagar propina para as pessoas diretamente envolvidas no Consórcio: o Bruno Dauster, Carlos Gabas e o governador Rui Costa de uma forma ou de outra deve ser responsabilizado. O relatório será finalizado até dezembro e certamente com as provas que foram reunidas deve ser apresentado junto a PGE o indiciamento do governador Rui Costa como presidente do Consórcio Nordeste”, explicou Alden.

Intimado para depor na CPI, Gabas utilizou o habeas corpus concedido pela Justiça do RN e permaneceu em silêncio.O habeas corpus preventivo foi concedido em decisão do desembargador João Rebouças e deu o direito constitucional para o secretário ficar em silêncio incluindo “o privilégio contra a autoincriminação”.

Nessa quinta (4) a CPI ouve Bruno Dauster.

*Com informações Do VNOTICIAS