Início Destaque Casos de doença transmitida pelo fungo Sporothrix e atinge bichos e pessoas...

Casos de doença transmitida pelo fungo Sporothrix e atinge bichos e pessoas crescem na Bahia; saiba como identificar

Em matéria do Correio da Bahia, a protetora de animais Ana Nery Teixeira, 43 anos, chegou a ter 170 gatos em casa, em 2015. Ela, que mora em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), sacrificou mais da metade deles, porque estavam infectados e debilitados por esporotricose.

A doença, transmitida pelo fungo Sporothrix, encontrado principalmente em solos e folhagens, é uma micose que atinge bichos e pessoas. Os sintomas são feridas que, se não forem cuidadas, podem evoluir e, em alguns raros casos, levar à morte.

Segundo o Grupo de Apoio e Proteção ao Animal de Rua (Gapar), de 2015 até o ano passado foram registrados mais de mil casos em gatos e humanos, em Camaçari – os dados incluem também felinos mortos.

“Temos a informação que duas pessoas morreram e os óbitos não foram registrados como esporotricose”, explicou Natália Vieira, 32, uma das fundadoras do Gapar.

Oficialmente, a Secretaria Municipal de Saúde de Camaçari notificou, de 2015 até 23 de janeiro deste ano, 247 casos da doença em humanos – 171 em 2018 e seis neste mês, sem morte de pessoas.

Contrariando especialistas, a secretaria afirmou que a doença não é uma zoonose e que, por isso, não contabiliza os animais infectados. A doença foi registrada nos bairros de Gravatá, Nova Vitória, Novo Horizonte, Limoeiro, Parque Verde, Bomba, Poch, Lama Preta e Parque das Mangabas. O bairro camaçariense com mais pessoas afetadas foi o Parque das Mangabas, com 63 casos (25,5%).

Doença provoca feridas na pele (Foto: Evandro Veiga/CORREIO)

Transmissão
Mas, como é que pega essa doença? De acordo com a doutora em veterinária e professora da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Nadia Rossi de Almeida, a transmissão para humanos acontece através das arranhões e mordidas de bichos e, por isso, é comum atingir mãos de adultos e rostos de crianças.

Ela, que monitora a doença, diz ainda que, embora raro, a esporotricose também atinge cães e ratos – a carga de fungo contudo é maior em gatos.

Foi assim que Ana Nery foi contaminada. “Em 2015 peguei um gato ferido. Ele arranhou e contaminou outros gatos, que precisaram ser sacrificados”, lamentou ela, também vítima da doença.

Ela tem manchas pelo corpo, mas isso é o menor dos problemas. “Fui ao médico e descobri que o fungo está no pulmão”, contou.

Diagnóstico
A veterinária Ilka Gonçalves já atendeu pacientes contaminados em Salvador, Camaçari, Candeias e na Chapada Diamantina. Ela alerta que os gatos, assim como os humanos, são vítimas e precisam de tratamento.

“Os animais são muito negligenciados. Muita gente não tem dinheiro, não sabe lidar com a situação ou fica com medo de pegar a doença, aí abandona ou sacrifica. Se tem tratamento e cura, não tem porque eutanasiar. É uma vida”, reclamou.

Ela alertou ainda para os diagnósticos incorretos. “Nos cães, a esporotricose pode ser confundida com leishmaniose. Por isso, é importante fazer biópsia e exames adequados”, disse.

Vale lembrar que os bichos que morrem por causa da esporotricose devem ser cremados – não podem ser enterrados porque o solo é um local fértil para os fungos.

Como tratar?
O tratamento do fungo só é possível com uso de remédios, o que dificulta o controle em animais de rua. A recomendação dos especialistas é que, quando a população encontrar um bicho ferido, avise à central de zoonoses – não toque no animal.

A doutora em infectologia e professora da Unime, Nilse Querino, contou que, nos humanos, a medicação costuma ser usada por até quatro semanas depois da cicatrização. Nos animais, há uso de remédios por até 60 dias após a ferida sumir.

O problema é que uma caixa com 30 comprimidos de Itroconazol, um dos remédios usados para o tratamento, pode custar R$ 220 – A doença pode ser tratada com Fluconazol e Terbinafina. Sem ter como arcar com esse custo, Douglas Souza, 15, foi com a mãe dele, Gilvânia Barreto, 42, à Secretaria de Saúde de Camaçari para receber a medicação. “Viemos aqui outras vezes, mas estava em falta”, disse a mãe.

Segundo ela, Douglas foi mordido pelo gato de estimação em junho do ano passado. “Quinze dias depois surgiram as bolhas, seguidas de feridas na mão esquerda. Levei ele ao posto médico e, três meses depois, a médica suspendeu o tratamento dizendo que ele estava curado”, contou ela.

No entanto, esta é a segunda vez que a doença se manifesta.

“Em novembro, as feridas voltaram. A médica havia suspendido o tratamento sem fazer qualquer tipo de exame. Um absurdo”, reclamou.

Apesar de ser uma doença pouco monitorada, os especialistas apontam que, pelo menos em Salvador e Lauro de Freitas já há garantia da notificação compulsória da doença. Com isso, as secretarias de saúde são informadas sobre o aparecimento desses casos, o que possibilita o monitoramento dos infectados.

Douglas ainda não conseguiu medicação para tratar doença (Foto: Evandro Veiga/CORREIO)

Medo e solução
O CORREIO esteve em Camaçari na sexta-feira (25) e apurou que as clínicas da cidade chegam a receber, por mês, cerca de 30 gatos infectados com a doença.

Em visita ao bairro do Novo Horizonte, local com maior número de registros de pessoas contaminadas pelo fungo, segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Camaçari, o clima é de medo. Afinal, já são 63 pessoas com a doença.

“Não deixo meus filhos brincarem com gatos. Soubemos da doença e estamos com medo. Sei que eles (gatos) são vítimas, mas não podemos vacilar. De vez em quando, aparecem uns bichos cheio de ferida, aí pessoas com pena pegam para cuidar”, disse a dona de casa Zuleide Macedo.

Quem também está amedrontada é a comerciante Carmelita Santana de Brito, 42, dona de um petshop.

“Duas clientes pegaram a doença. Elas foram se tratar em Salvador. Ficaram com feridas por quase todo o corpo. Deus me livre disso. É uma doença terrível”, comentou.

Para o subsecretário de Saúde de Camaçari, Luiz Duplat, a solução para o problema seria criar uma coordenação de meio ambiente para cuidar dos animais de rua. Ele diz, no entanto, que a prefeitura não tem condição de cuidar desses bichos.

“Quem entra em contato com a zoonose e relata que está ferido é indicado para ir a uma unidade de saúde, onde os profissionais são treinados e vão diagnosticar e tratar a doença. No caso dos animais, devem ser levados a um veterinário”, afirmou.

Procurada, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) informou, em nota, que o registro desses casos é realizado pela Vigilância Epidemiológica municipal. “Informamos que o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde, no ano de 2019, não recebeu nenhuma informação sobre casos de esporotricose no município de Camaçari”.

Esporotricose
O que é? É uma micose transmitida pelo fungo Sporothrix, encontrado principalmente em solos e folhagens. Atinge bichos e pessoas.

Sintomas: Nas pessoas, aparecem feridas pelo corpo, que não costumam coçar. Já no caso dos animais, os sintomas incluem perda de apetite, apatia, emagrecimento, espirros, secreção nasal e assim como lesões na pele do gato.

Tem cura? Sim, tanto em humanos quanto em animais. A doença pode reaparecer, então, requer acompanhamento de um profissional

Que médico procurar? No caso dos bichos, é só procurar um veterinário. Já os humanos devem ir em busca de um dermatologista, que pode encaminhar o paciente para um infectologista.