Início Brasil Caso Daniel: Suspeito diz que objetivo de empresário era castrar jogador

Caso Daniel: Suspeito diz que objetivo de empresário era castrar jogador

Rapaz estava com Brittes no carro que levou o atleta ao local onde foi morto

Um dos suspeitos de participar do assassinato do jogador Daniel Freitas disse nesta segunda-feira, 12, à Polícia Civil do Paraná que o empresário Edison Brittes, apontado como principal autor do crime, levou o atleta a um matagal com o objetivo de castrá-lo.

Um dos seis suspeitos de participar do crime, Eduardo Henrique Silva, de 20 anos, foi o que depôs nesta segunda. Ele confirmou seu envolvimento, segundo a defesa.

“Eles se associaram para fazer uma castração da vítima. Houve convite do Edison Brittes para que fossem juntos para segurar o Daniel para que esse pudesse fazer a castração”, disse Edson Stadler, advogado de Silva.

O rapaz estava com Brittes no carro que levou o atleta ao local onde foi morto. No depoimento, Silva disse que se soubesse que o empresário iria matar Daniel não o teria acompanhado. O suspeito é primo de Cristiana, mulher de Brittes.

A defesa dos outros dois jovens que estavam no veículo nega esta versão. O corpo do jogador foi encontrado com sinais de espancamento e o pênis decepado.

Aplicativo
Mensagens de WhatsApp anexadas ao processo mostram que Daniel comentou a noite da festa com um amigo. Ele contou que tinha seguido da boate para a casa para continuar a comemoração com Allana e os demais. Depois, mandou outra mensagem dizendo que iria “comer a mãe da aniversariante” e que “o pai está junto”. Dezessete minutos depois, ele fala novamente com o amigo. “Comi ela, moleque”, diz, enviando uma foto ao lado da mulher, que aparenta estar dormindo – pelo menos duas fotos foram enviadas.

Uma testemunha contou que ouviu gritos de mulher vindo de um quarto, pedindo para que ajudassem a “evitar uma tragédia”. Ao chegar lá, já encontrou Daniel sendo enforcado e agredido por Juninho.

Também há prints de conversas de Allana com um amigo em comum que tinha com a Daniel e com a mãe e a tia dele – todos diálogos depois do crime e com informações diferentes. A suspeita diz nas conversas que não teve briga em sua casa e que Daniel saiu tranquilamente. Na segunda, dois dias após o crime, a tia pergunta sobre o jovem e Allana diz que ele saiu por volta de 8h e pouco. A tia quer saber se houve alguma desavença. “Claro que não, imagina. Era a minha casa. Ele só levantou e foi embora”, responde a jovem.

Em outra conversa, esta ainda no sábado, logo após o crime, Allana dá outra versão. O corpo de Daniel ainda não tinha sido achado e ele era considerado desaparecido. O amigo em comum quer saber se Daniel está na casa dela ainda. “Oi, bebê, não nem vi a hora que ele foi embora”, garante a jovem. O amigo pede que ela procure saber com quem ele saiu e, se tiver sido com alguma menina, mandar o número de telefone para que ele tente achar Daniel. “Então, a menina com quem ele ficou tá aqui. Acordei e ela tava de PT no sofá”, responde Allana. “Certeza que já aparece, deve estar com alguma gata”, acrescenta, tentando tranquilizar.

Mesmo tom Allana adotou com a mãe de Daniel, já quando o corpo do jogador aguardava para ser identificado. “Se Deus quiser, não vai ser ele. Vamos ter fé. Vai dar tudo certo”. Em seguida, a mãe do rapaz manda um áudio dizendo que Daniel está morto. Allana se diz surpresa. Na segunda-feira (29), pede informações sobre o velório.

A jovem ainda afirma em outra conversa que sua festa de aniversário foi “perfeita”. “Ficamos muito doidos, ressaca brava hoje. Era bebida que não acabava mais”, disse. “Eu amei tudo, perfeito. Todo mundo amou, graças a Deus.”

Depois que a história veio à tona, Allana endossou o pai e afirmou que viu Daniel tentando estuprar sua mãe. “Descemos e, na hora que abrimos a porta, ele estava em cima da minha mãe tentando estuprar ela. Todo o mundo começou a querer fazer alguma coisa contra ele, porque minha mãe gritava, e ele não falava nada”, diz. O advogado da família afirma que o jeito que Allana agiu, contando várias versões para acobertar o crime, é natural. “Um ato impensado e desesperado de uma filha tentando proteger o pai”. Allana também chegou a dizer inicialmente que mal conhecia Daniel e que ele teria seguido da boate para sua casa sem ser convidado. Nas redes sociais, contudo, há uma foto dos dois juntos no aniversário dela do ano passado.

A família de Daniel contratou um advogado para representar seus interesses no caso e tentar afastar a acusação do assassino confesso de que o jogador tentou estuprar sua mulher. A polícia ainda investiga a versão e afirma que até o momento não há confirmação sequer se houve sexo, ainda que consensual, entre Daniel e Cristiana.

Cronologia do crime
Sexta (26): Daniel chega a Curitiba. Ele vai a duas festas, inclusive o aniversário de Allana em boate
Sábado (27): A festa continua na casa da família de Allana, em São José. O crime aconteceu este dia.
O corpo foi achado neste mesmo dia em um matagal.
Segunda (29): Amigo reocnhece o corpo de Daniel
Quarta (31): Corpo de Daniel foi velado em Minas Gerais
Quinta (1): Suspeito de matar Daniel é preso e confessa crime. Mulher e filha também foram presas
Sexta (2): Perícia é feita na casa onde Daniel foi espancado

Linha do tempo (com informações da TV Globo)
21h30: Daniel chegou a Curitiba na sexta à noite, por volta das 21h30. Ele deixou as malas na casa de um amigo, com quem iria se hospedar, e saiu depois de um banho para uma festa, a primeira da noite.

00h: Por volta de meia-noite, ele e o amigo seguiram para o aniversário de Allana, em uma boate da cidade. Eles tinham convites para a festa, entregues pelo próprio pai da aniversariante.

05h40: O amigo de Daniel vai embora da boate. O jogador prefere ficar e diz que vai seguir para a casa de Allana, na Região Metropolitana, onde a festa seguiria

06h36: Daniel avisa ao amigo por mensagem que já estava na casa de Allana. Uma testemunha contou à polícia que os convidados estavam ouvindo música e bebendo. Cristiana, que segundo a família não estava bem, foi a primeira a ir deitar. Outras pessoas também se recolheram. Ficaram na festa Daniel, Edison e outras oito pessoas

08h07: Daniel começou uma conversa com outro amigo. Ele contou que estava em uma festa, com várias pessoas dormindo. Por áudio, ele respondeu ao amigo, que perguntou se estava bêbado, e disse que “não muito”. Ele falou também que tinha uma “coroa” na casa, que era a mãe da aniversariante, e que faria sexo com ela. Afirmou ainda que o pai estava junto. O amigo diz para ele se cuidar e que poderia ser expulso da casa. Daniel mandou uma foto ao lado de Cristiana, que aparenta estar dormindo. O amigo quer saber se ele fará sexo com ela acordada ou dormindo

08h34: Daniel manda uma nova foto ao lado de Cristiana para o amigo e diz que fez sexo com ela. Depois, ele manda a seguinte mensagem, a última: “O que aparecer amanhã é nóis”. O amigo quer saber o que isso quer dizer, mas Daniel não responde mais. Posteriormente, o amigo disse à polícia que ele, Daniel e outros dois colegas tinham um grupo de WhatsApp onde mandavam fotos das “conquistas” amorosas, geralmente quando a mulher estava dormindo

10h30: Corpo do jogador é encontrado, ainda sem identificação, em um matagal, com mutilações, marcas de faca e sinais de tortura.

À noite: O amigo que hospedou Daniel fica preocupado porque ele não deu mais notícias e eles tinham um compromisso. Ele manda mensagem para Allana, que afirma que o jogador foi embora sozinho da casa dela. Este amigo foi quem reconheceu o corpo do jogador, dois dias depois. *Por Correio da Bahia